Portáteis podem vir a ser proibidos nas cabines de aviões para os EUA

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Karl Baron (CC)

Os Estados Unidos estão a estudar a possibilidade de impedirem o acesso de computadores portáteis às cabines dos aviões com destino àquele país, como medida anti-terrorismo.

Os Estados Unidos querem proibir a entrada de dispositivos eletrónicos maiores que um telemóvel nos aviões com destino àquele país. A medida visa evitar ataques terroristas e ainda não tem data para entrar em vigor.

Numa entrevista à televisão Fox News o secretário de segurança nacional dos Estados Unidos, John Kelly, fez saber que tenciona “elevar a fasquia” da segurança aérea no país. O objetivo é evitar ataques terroristas porque “é com isso que eles estão obcecados, os terroristas, com a ideia de derrubarem um avião em pleno voo, em particular se for de uma companhia aérea dos EUA, em particular se estiver cheio de pessoas dos EUA.”

Esta medida não é nova. Os aeroportos Mohammed V em Casablanca (Marrocos), Ataturk em Istambul (Turquia), Cairo (Egito), Rainha Alia em Amã (Jordânia), Jeddah e Riade (Arábia Saudita), Kuwait, Hama em Doha (Qatar) e Abu Dhabi e Dubai (Emirados Árabes Unidos) já estão obrigados a impedir a entrada de computadores portáteis ou outros equipamentos eletrónicos maiores que um telemóvel nas cabines dos aviões com destino aos EUA. Os passageiros com origem nestes dez aeroportos de estados de maioria muçulmana já são obrigados a despachar estes equipamentos na bagagem de porão.

Na mesma entrevista John Kelly esclareceu que “ainda estamos a analisar informações das secretas e estamos num processo de definir [as ameaças], mas vamos subir a fasquia na [segurança na] aviação, vai ficar muito mais elevada do que está agora.”

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt