publicidade

Barcelona, a cidade que dança

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Barcelona, Espanha

Cor, Movimento, Quarteirões, Pedaços


A cidade que dança! Um rodopio de cores e sons de que se disfruta sem arrependimentos independentemente do tempo que lá ficamos. Apesar de agitada e turística, Barcelona não cansa nem se desgasta, mas renova-se e acolhe-nos sempre de braços abertos! Fiquei na zona de Eixample, dos famosos quarteirões que se prolongam por ruas e avenidas perpendiculares e que nos deixam completamente sem noção do norte!

Eixample

Os edifícios por dentro são igualmente labirínticos com vários pátios interiores, corredores e recantos que nos deixam de novo perdidos em relação à entrada da rua. Aproveitei para ir petiscar ao Senyor Vermut, onde as tapas, as cañas e o vermute são o essencial para uma noite divertida entre amigos!

Dos meus passeios entre Ramblas e Bairro Gótico descobri dois sítios onde vale a pena “tropeçar”: O (CCCB) Centre de Cultura Contemporània de Barcelona, um edifício surpreendente com exposições que são incrivelmente generosas e entusiasmantes!;

1000 m2 of desire – Architecture and sexuality
1000 m2 of desire – Architecture and sexuality

O El Born (Centre de Cultura i Memòria) um antigo mercado que foi o primeiro grande edifício da arquitectura de ferro, estava a ser reabilitado para ser uma biblioteca, quando descobriram algumas ruínas valiosas do período medieval e do século XVIII, alterando o propósito do projecto para um centro cultural que cruzaram vários tempos, vivências e funções de um só espaço.

El Born

Seguindo o movimento da cidade fui parar ao coração dos negócios, tecnologia, arquitectura contemporânea e ao Museu del Disseny! Um museu que aborda vários mundos do design espanhol e que serve de incubadora para novos projectos. O edifício dialoga com o percurso da exposição deixando-nos entusiasmados com a novidade da sucessão de espaços entre salas e escadas rolantes!

Exposição de design de moda, Museu del Disseny

Consegui ir ainda a uma zona industrial com vários edifícios que estavam inactivos e que foram ocupados por novos estúdios de arquitectura, design, danças, artes plásticas, música, etc… Esta apropriação é também muito comum nas zonas antigas mais perto do centro, nos edifícios que deixaram de ter as suas funções originais e que estavam abandonados.

Barcelona, a cidade que se compõe com pedaços coloridos e diferentes, compostos por pessoas, lugares e sons como uma fachada do Gaudi.

Torre Agbar
Ruas de Barcelona
Vista da Sagrada Familia
Fachada do Museu d’Art Contemporani de Barcelona
Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt