publicidade

Ryanair: vem aí uma “greve em massa”

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Adrian Pingstone

Um trabalhador acusa a companhia de ser a “Coreia do Norte da aviação”


A Ryanair tem estado debaixo de fogo nas últimas semanas. No início de setembro anunciou o cancelamento de 40 a 50 voos diários até ao final de outubro, período que viria a ser estendido até ao mês de março de 2018. De acordo com a companhia a impossibilidade de realizar as viagens prendia-se com a falta de aviões e com a necessidade de fazer crescer a empresa “mais lentamente”.

A realidade é que cedo se percebeu que a companhia estava a ter problemas com o relacionamento com o seu pessoal de cabine. Fracas condições de trabalho levaram muitos funcionários à exaustão e a empresa não conseguiu levar a bom porto um acordo que tinha previsto para que os pilotos prescindissem das suas férias. Tudo somado são mais de 400 mil passageiros afetados em toda a Europa.

Os problemas com os funcionários parecem agora estar a chegar a um ponto limite, com o agendamento de um “greve em massa” e, mais grave, a deserção de vários tripulantes para companhias concorrentes da irlandesa.

“Está escrito nos nossos contratos que não estamos autorizados a fazer parte de sindicatos, mas os colegas da minha base, e não apenas essa, estão a planear uma greve antes de se mudarem para a Norwegian e a EasyJet“, refere uma fonte anónima ao britânico Telegraph.

Entre as queixas tornadas públicas por vários trabalhadores, estão a contabilização das horas de voo como horas a pagar aos funcionários, retirando os períodos em que os tripulantes têm que estar em terra; ou o pagamento por parte dos pilotos das garrafas de água que  consomem quando estão aos comandos das aeronaves.

Não há datas previstas nem previsões de consequências para os passageiros.


Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt