publicidade

Ryanair está a “intimidar” passageiros que pedem indemnizações

Diogo Pereiratexto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

Uma investigação do britânico The Telegraph revela que há passageiros a serem contactados para prescindirem de serviços de advocacia para receberem indemnizações.


O jornal britânico The Telegraph está a adiantar que há passageiros da Ryanair a serem “intimidados” pela companhia por recorrerem a advogados para conseguirem indemnizações na sequência dos sucessivos cancelamentos que a lowcost tem vindo a levar a cabo nas últimas semanas. De acordo com a edição online do The Telegraph a companhia estará mesmo a enfrentar uma ação legal.

O escritório de advogados Fair Plane, especializado na obtenção de indemnizações em casos de atrasos, cancelamentos ou overbooking em voos está a acusar a companhia de “difamação e interferência ilícita”. Em causa estará o envio de uma carta aos passageiros, por parte da companhia e à qual o The Telegraph diz ter tido acesso, em que a Ryanair pergunta aos passageiros se “realmente aceitaram assinar a reclamação”.

De acordo com a mesma fonte a companhia irlandesa informa os passageiros que “parece ter uma reclamação válida” e que receberão “100% da indemnização sim lhe serem retirados os honorários legais” se deixarem de usar a Fair Plane e contactarem a companhia aérea diretamente.

“Estão a tentar interromper as relações do cliente connosco. Neste ponto é tarde para a Ryanair oferecer uma compensação porque o cliente já chegou até nós. Em muitos casos a principal razão para a Ryanair pagar as indemnizações devidas é porque nós estamos no processo”, diz ao The Telgraph Daniel Morris, diretor da Fair Plane.

A Fair Plane cobra uma taxa de 25% sobre as indemnizações conseguidas e, no caso de a companhia negociar diretamente com os passageiros, consegue poupar algum dinheiro. “Sabem que os obrigamos a pagar e, se nos retiram dessa equação, poupam dinheiro”, continua Morris.

A autoridade de Aviação Civil adianta que os passageiros têm obrigação de contactar diretamente a companhia para pedirem as indemnizações, antes de envolverem entidades judiciais no processo, mas a Fair Plane não concorda que a Ryanair contacte diretamente os passageiros, nas suas costas.

Contactada pelo The Telegraph, a Ryanair disse que “não fazemos comentários sobre as falsas afirmações das empresas de caça que estão a cobrar até 50 por cento das suas indemnizações”. A companhia de baixo custo acrescenta ainda que “os clientes com reclamações válidas vão receber 100 por cento das suas compensações sem terem que as partilhar com estas empresas”.


Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt