publicidade

Este site devolve-lhe dinheiro se o voo que comprou baixar de preço

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Steve P / Flickr

Agora há uma ferramenta que pode trazer benefícios aos passageiros que comprem passagens aéreas ou façam reservas em hotéis

publicidade

Todas as pessoas que já compraram um voo sabem uma coisa: os preços estão constantemente a mudar, a um ritmo esquizofrénico, sem se saber muito bem porquê, nem com que critério. A verdade é que muitas pessoas já deixaram de fazer viagens porque os preços dos voos subiram abruptamente, assim como muitas outras já se depararam com preços mais baixos do que os apresentados numa primeira pesquisa.

Num só voo os preços podem variar de tal forma que uma pessoa pode pagar, pelo mesmo serviço, mais do dobro (ou mesmo o triplo, no caso de companhias lowcost) do que o passageiro que viaja no banco mesmo ao seu lado.

As tarifas dinâmicas são uma realidade e não há forma de as contornar, estão para ficar. Por isso os preços vão continuar a variar inexplicavelmente. Mas agora há uma ferramenta que pode trazer benefícios aos passageiros que comprem passagens aéreas ou façam reservas em hotéis e que, depois de pagas, o preço venha a baixar.

Desenvolvido por Joshua Browder, de 21 anos, o Do Not Pay funciona com uma série de algoritmos que correm quase infinitamente os sites de reservas à procura de uma quebra de preço num voo ou hotel que tenha reservado.

Detetada a redução de valor, o sistema digitaliza todos os termos e condições referentes à reserva para tentar encontrar uma cláusula que permita negociar com a companhia aérea a devolução de parte do valor já pago.

Muitas companhias aéreas permitem que um voo seja cancelado sem penalizações nas 24 horas subsequentes à reserva, e essa é uma das formas que o Do Not Pay usa para conseguir cancelar a reserva original, criando outra logo a seguir, conseguindo assim devolver a diferença ao passageiro.

Tudo isto funciona de forma automática, sendo apenas necessário que o utilizador se registe no site, introduza dados pessoais como endereço de email, data de nascimento, número de telefone e detalhes do cartão de crédito para onde possam ser transferidos valores de eventuais quebras de preço.

O cliente é um elemento passivo em todo este processo, o que faz dele muito atrativo. No caso de o Do Not Pay encontrar uma forma de cancelar uma reserva para fazer outra exatamente igual, mas mais barata, o cliente é notificado e apenas tem que responder com “sim” ou “não” para aprovar ou recusar a ação.

O Do Not Pay questiona o cliente antes de realizar qualquer ação (Do Not Pay)

Num teste feito nos Estados Unidos foi possível verificar que o Do Not Pay conseguiu encontrar uma viagem entre São Francisco e Nova Iorque quarenta dólares mais barata do que aquela que havia sido comprada. Neste caso, como previsto, o sistema mandou uma mensagem de texto ao cliente na qual perguntava se queria manter a reserva original ou mudar para a nova, poupando aquele valor. O cliente apenas precisou de responder “sim” e esperar que o dinheiro caísse na conta.

A nova ferramenta ainda é muito recente para conseguirmos aferir as suas verdadeiras capacidades, mas a vantagem é que é gratuita e, de acordo com o fundador, assim se manterá pelos próximos tempos.

“Neste momento estou apenas a tentar criar um produto que agrade às pessoas”, esclareceu Joshua Browder ao Telegraph.

Pode conhecer o site do Do Not Pay aqui.

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt