publicidade

10 lugares assustadores que só os mais corajosos conseguem visitar (um é português)

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Cassiaferreira / Wikipedia

Há muitos lugares para visitar no mundo, mas nem todos precisam da dose de coragem destes

publicidade

Há vários tipos de viagens adaptadas aos vários tipos de viajantes. Há quem goste de cultura e visite museus e galerias de arte, há quem goste de história e visite monumentos, há quem goste de natureza e visite florestas e lagos e depois há quem goste de sítios verdadeiramente assustadores. Se é um destes viajantes, este artigo é para si.

Tem coragem?

North Yungas Road, Bolívia

É considerada a mais perigosa estrada do mundo. Por aqui morrem mais de 200 pessoas a cada ano a tentarem fazer a ligação entre o topo dos Andes e a Amazónia. A justificação para o elevado número de acidentes pode estar na ausência de rail protetor e na fraca visibilidade em dias de nevoeiro intenso que são comuns por aqui.

Hua Shan Plank Walk, China

O Hua Shan Plank Walk é provavelmente o trilho de montanha mais assustador do mundo. Embora atualmente o risco de queda seja mais reduzido porque foram introduzidos novos mecanismo de segurança, continua a ser muito arriscado percorrer as tábuas velhas e apodrecidas que frequentemente quebram quando são pisadas pelos poucos aventureiros que se arriscam por aqui.

Vulcão Thrihnjukagigur, Islândia

O vulcão Thrihnjukagigur, na Islândia é um dos poucos que podem ser visitados em todo o mundo e embora esteja adormecido todos sabemos que um dia pode “acordar”. E se isso acontecer enquanto estivermos na câmera de magma?

Floresta de Aokigahara, Japão

A floresta de Aokigahara ficou mundialmente conhecida depois de o Youtuber americano Logan Paul a ter visitado e ter publicado no seu canal de Youtube um cadáver pendurado numa árvore. Mas antes disto ela já era bem conhecida entre os japoneses por ser visitada por pessoas que aqui entram sem qualquer intenção de voltarem a sair. Na “Floresta dos Suicídios” todos os anos morrem entre 30 a 150 pessoas, de acordo com a National Geographic.

Ilha das Bonecas, México

Centenas de bonecas decapitadas, sem braços ou sem olhos estão penduradas nas árvores desta ilha mexicana, segundo a lenda por causa de uma menina que ali terá morrido em circunstâncias estranhas. Os habitantes da região afiançam que as bonecas se movem durante a noite e sussurram entre si. É provável que tudo isto seja apenas uma lenda, mas teria coragem de aqui entrar?

Ponte de Titlis, Suíça

A maior ponte suspensa da Europa fica na Suíça, está a mais de 1600 metros de altura e a vista é deslumbrante, mas os espaço estreito para caminhar e os ventos fortes que se fazem sentir muitas das vezes garantem que esta não é uma experiência tranquila.

Capilano Cliff Walk, Canada

Esta é uma ponte suspensa com mais de 300 metros de altura, situada no Canadá. Foi inaugurada em 2011 e promete uma vista de cortar a respiração sobre o Rio Capilano e a floresta envolvente. Quer levar um amigo com medo de alturas? Então não lhe conte que em partes do percurso o chão é de vidro…

Hospital Beelitz-Heilstätten, Alemanha

Neste gigantesco hospital alemão de 60 edifícios foram tratados muitos doentes com tuberculose e quem o visitou garante que o cheiro a desinfetante ainda permanece. E com ele talvez permaneçam as almas que por lá sucumbiram. Um dos pacientes mais ilustres deste complexo foi o ditador alemão Adolf Hitler que aqui foi tratado a uma lesão na coxa.

Casa do Assassino, EUA

Nesta casa morreram, a 10 de junho de 1912, todos os elementos da família Josiah Moore e dois convidados. As visitas a este palco de terror estão disponíveis durante o dia e… durante a noite.

Capela dos Ossos, Portugal

Em Portugal também há um lugar suficientemente assustador para figurar nesta lista. Chama-se Capela dos Ossos, fica em Évora e, como o nome indica, está repleta de ossos humanos, caveiras e até um esqueleto completo. A parte mais assustadora acaba por ser a frase inscrita na entrada: “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”.

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt