Notícias

Diogo Pereiratexto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

Companhia low cost quer contratar pelo menos 1200 novos tripulantes.

A Easy Jet anunciou que vai levar a cabo o maior processo de recrutamento da sua história. São mais de 1200 os novos tripulantes que se vão juntar aos já contratados, em 2017, 450 pilotos.

As vagas, dia a companhia, serão para a quase totalidade das 28 bases que tem em operação na Europa e os candidatos terão que superar uma série de desafios de pre-curso online e, se forem selecionadas têm uma segunda fase de três semanas em que farão demonstrações práticas em áreas como procedimentos de segurança, segurança na aviação e primeiros socorros. As candidaturas podem ser feitas aqui.

Já no inicio de 2017 a companhia britânica tinha aberto um concurso externo para contratar 450 pilotos e um concurso interno para dar oportunidade aos seus co-pilotos de alcançarem o cargo de comandante.

Com esta ação a EasyJet parece estar em franco crescimento. A companhia opera 802 rotas em 132 aeroportos de 31 países.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

Easy Jet queria vir para Portugal, mas fez uma exigência que a ANAC não quis conceder

A Easy Jet está à procura de um estado membro da UE para poder instalar a sua sede europeia. A iniciativa surge porque a companhia é de nacionalidade britânica e, com o Brexit, precisa de um novo certificado de operação aérea na União Europeia. 

Com esta ação a Easy Jet não vai abandonar o Reino Unido, mantendo no país a maioria da sua operação. A nova sucursal vai servir apenas de plataforma onde a companhia terá registados alguns aviões da sua frota, passando estes a ostentar a bandeira do estado membro que os acolher.

De acordo com o Diário de Notícias a companhia britânica estaria fortemente inclinada a instalar a nova sede em Portugal ou Áustria, sendo Portugal o favorito. No entanto uma das condições impostas pela Easy Jet pôs fim às negociações, sendo praticamente certo que o país escolhido será a Áustria.

Para se radicar em Portugal, a Easy Jet pediu à Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), que cedesse a sua posição de regulador à autoridade do seu país de origem. Na prática a Easy Jet queria continuar a responder perante o regulador da aviação britânico, mesmo estando a operar em Portugal. A ANAC considerou que esta era uma linha vermelha que não poderia ser ultrapassada e pôs fim ao processo de negociação.

O processo de criação de uma sede da Easy Jet na União Europeia deve demorar um ano a ser concluído e a companhia estima custos na ordem dos dez milhões de euros. A operação está a ser realizada agora porque a empresa “não se pode dar ao luxo de esperar para ver o que acontece com o Brexit”, referiu Carolyn McCall, presidente da Easy Jet.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Flight Chic

Lawrence Leyton, famoso especialista em fobias, criou um curso para quem tem medo de voar.

Lawrence Leyton criou o Fearless Flyer para quem tem medo de voar

De acordo com a Easy Jet uma em cada seis pessoas tem medo de voar. Foi precisamente com base nestes números que a companhia decidiu criar um curso online onde Lawrence Leyton, especialista em fobias e um dos “mais experientes comandantes” da companhia britânica ajudam os inscritos a supera-lo.

“O medo de voar pode estar relacionado com vários aspetos como ter medo das alturas, medo de estar em espaços fechados ou até medo da turbulência” pode ler-se no site www.fearless-flyer.com. Através de ensinamentos em torno da compreensão da descolagem e aterragem, a clarificação de mitos e até a elucidação sobre as apertadas medidas de segurança que rodeiam a atividade aérea este curso tem como objetivo retirar às pessoas que o façam o medo de voar.

O curso, disponível online, oferece um manual gratuito, mas tem o valor de €47. Os 16 módulos são constituídos por vídeos interativos e apenas estão disponíveis em alemão, inglês, espanhol, francês e italiano.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Getty

Os “assentos verticais” estão a ganhar fãs entre as companhias aéreas de baixo custo e podem não tardar muito a aparecer.

A Viva Colômbia é a nova companhia aérea de baixo custo a demonstrar interesse na possibilidade de se desenvolverem soluções de transporte de passageiros em pé nos aviões para diminuir custos. “Estamos muito interessados ​​em qualquer coisa que faça a viagem menos dispendiosa”, disse o CEO da Viva Colômbia, William Shaw, citado pelo The Telegraph.

A operadora colombiana não é a primeira a demonstrar interesse nesta solução. Já em 2010 Michael O’Leary, da Ryanair, demonstrou interesse em poder transportar os seus passageiros de pé e até foi mais longe. Para o CEO da companhia irlandesa até os cintos de segurança poderiam ser dispensados: “Num acidente de avião não é o cinto de segurança que vai salvar um passageiro. No metro de Londres, por exemplo, os passageiros não usam cintos e, se houver um acidente, eles vão morrer de certeza”, diz O’Leary citado pelo The Telegraph.

A realidade é que o “assento vertical” já foi promovido em 2003 pela Airbus e, alguns anos depois, apresentado publicamente pela italiana Aviointeriors, no entanto ainda não conseguiu aprovação pelas entidades competentes.

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

Os vencedores vão voar no novo A330 da TAP com as cores usadas pela companhia nos anos 70.

A TAP está a celebrar 72 anos de vida e, para comemorar, decidiu apresentar um novo avião com a decoração que a companhia usou nas décadas de 50, 60 e 70. A companhia aérea portuguesa associou ainda a esta iniciativa a realização de um passatempo cujos vencedores vão voar para São Paulo, Luanda ou Toronto neste novo avião.

“Se pudesse voar até aos anos 70 o que traria de volta?” Esta é a pergunta que a TAP faz e à qual os participantes têm que responder com um texto com até 600 caracteres. Cada concorrente tem ainda que escolher para qual das três cidades quer concorrer e angariar o maior número de votos. Os cinco textos mais populares por cada cidade seguem para avaliação de um júri que escolhe o vencedor.

O vencedor escolhido pelo júri tem ganha uma viagem dupla para o destino que escolheu e a garantia de voar, pelo menos em um dos trajetos no novo A330 da TAP decorado com as cores que a companhia usou nos anos 70.

Pode participar aqui.

Conheça as novas cores do novo A320 da TAP neste vídeo:

cropped-W_MINIATURA.pngTAP decora avião com as cores dos anos 70

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Pixabay

A Skytrax volta a atribuir os World Airline Awards. Desde 1999 que se realizam.

A Qatar Airways ficou em primeiro lugar no ranking dos World Airline Awards, organizados pela Skytrax. A companhia sediada em Doha conseguiu destronar a grande rival Emirates. A TAP Air é a melhor companhia aérea de Portugal.

A classificação da companhia do Qatar é especialmente emblemática, numa altura em que se vive uma crise diplomática que tem isolado o pequeno emirado dos restantes vizinhos. A Qatar Airways foi banida de voar para os Emirados Árabes Unidos, Bahrain, Egito e Arábia Sauditapor estes considerarem que financia grupos de terrorismo islâmico.

É a quarta vez que a companhia aérea de Doha ganha esta distinção. Já tinha ganho em 2011, 2012 e 2015. A Singapore Airlines e a All Nippon Airways completam o pódio.

A TAP é a primeira companhia aérea a aparecer na lista das 100 melhores. Surge na posição 62, tendo registado uma subida de duas posições face ao último ranking.

Os World Airline Awards são atribuidos desde 1999 com base num estudo realizado com mais de 19 milhões de inquéritos preenchidos por viajantes.

Veja aqui a lista completa das 100 melhores companhias aéreas do mundo

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Lord Of The Wings / Wikipedia

Um bebé nasceu a bordo de um avião da companhia Indiana Jet Airways. Aconteceu a 35.000 pés de altitude

A companhia aérea indiana Jet Airways anunciou no Twitter o nascimento de uma criança num dos seus voos no passado dia 19 de junho. O bebé tem agora direito a voar gratuitamente nesta companhia no resto da sua vida.

O voo da Jet Airways tinha partido de Kochi, na Índia e tinha como destino Damman na Arábia Saudita, mas acabou por divergir para Mumbai porque um pequeno bebé não quis esperar pela chegada ao destino para nascer. A mãe, cuja identidade não foi adiantada, entrou em trabalho de parto a mais de 35.000 pés de altura e não houve tempo para chegar ao hospital.

Embora sejam raras, as tripulações estão treinadas para este tipo de acontecimentos. Neste caso o pessoal de cabine contou ainda com a ajuda de um médico que seguia a bordo para ajudar este pequeno apressado a chegar ao mundo.

No fim desta aventura tudo correu sem problemas e o pequeno rebento ganhou viagens na Jet Airways para o resto da vida, como refere a companhia no Twitter.

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Wikimedia Images

A380 foi fotografado na fábrica da Airbus com alterações que vão permitir a redução do consumo de combustível

A especulação em torno das alterações que o Airbus A380 deveria sofrer chegou a adiantar que o aparelho pudesse vir a ficar maior, mas tal não se verificou. A única alteração que a empresa europeia deve apresentar no maior avião de passageiros do mundo é a aplicação de winglets nas asas.

A Airbus ainda não oficializou as alterações que devem ser apresentadas no dia 19 de junho, na maior feira de aviação do mundo, em Paris. Mas esconder um aparelho com as dimensões deste superjumbo nem sempre é fácil e a aeronave foi fotografada na fábrica da empresa europeia com as novas aplicações nas pontas das asas.

Em junho o presidente da Airbus Commercial, Fabrice Brégier já havia adiantado que a empresa estava a estudar uma alteração nas asas deste gigante dos céus. Na altura o responsável adiantava que a alteração tinha como objetivo diminuir o consumo de combustível em 4%.

Esta novidade surge numa altura em que a Airbus tem estado a reduzir a produção deste avião com um rácio de produção de um por mês.

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt