Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

Os passageiros que aderirem a esta nova opção têm entrada prioritária no avião.

A Easyjet acaba de lançar a opção “mãos livres” que permite aos passageiros despacharem as suas bagagens de mão nos balcões de check-in dando-lhes prioridade no embarque, garantindo que estas serão as primeiras a entrar no tapete rolante à chegada e autorizando ainda o transporte de compras feitas nas lojas do aeroporto. A opção custa €5.

Esta é uma opção que está em vigor desde o início da primavera nas viagens com origem em França e, de acordo com a companhia britânica, os passageiros aderiram tão bem (com mais de 9.000 passageiros a experimentá-la) que a Easyjet decidiu estende-la ao resto das rotas.

Desta forma os passageiros passam a poder transportar produtos que são proibidos na cabine do avião sem terem que pagar o valor correspondente a uma mala de porão de 23kg.

No momento do check-in serão dados pequenos sacos de plástico para transporte de objetos pessoais e os passageiros não terão que passar a mala pelos canais de segurança.

O “Mãos Livres” confere ainda entrada prioritária no avião a seguir aos passageiros com Speedy Boarding.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

O maior sindicato de pilotos de França lança fortes acusações à companhia britânica.

Uma carta aberta enviada pelo Syndicat National des Pilotes de Ligne (SNPL – o principal sindicato de pilotos de linha aérea de França) ao principal acionista da Easyjet, Stelios Haji-Ioannou, acusa a companhia britânica de colocar os passageiros em risco. Em causa está o agendamento continuo de voos que, de acordo com o SNPL deixa os pilotos e restante pessoal de cabine “esgotados”.

“Uma linha vermelha foi ultrapassada e estamos muito chocados”, pode ler-se na carta, onde se acrescenta que “A companhia aérea tem mais olhos que barriga. Os horários são impossíveis ”

O sindicato acusa ainda a companhia de pressionar os seus funcionários para estenderem os seus horários, “ultrapassando os limites diários”. “Alguns pilotos recusam-se e são intimidados pela companhia”.

A EasyJet mostrou-se surpreendida com esta carta aberta, afirmando que vai continuar a trabalhar com o sindicato dos pilotos franceses e foi peremptória ao afirmar que “nunca iria comprometer a segurança” dos passageiros, de acordo com o The Telegraph.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

Companhia low cost quer contratar pelo menos 1200 novos tripulantes.

A Easy Jet anunciou que vai levar a cabo o maior processo de recrutamento da sua história. São mais de 1200 os novos tripulantes que se vão juntar aos já contratados, em 2017, 450 pilotos.

As vagas, dia a companhia, serão para a quase totalidade das 28 bases que tem em operação na Europa e os candidatos terão que superar uma série de desafios de pre-curso online e, se forem selecionadas têm uma segunda fase de três semanas em que farão demonstrações práticas em áreas como procedimentos de segurança, segurança na aviação e primeiros socorros. As candidaturas podem ser feitas aqui.

Já no inicio de 2017 a companhia britânica tinha aberto um concurso externo para contratar 450 pilotos e um concurso interno para dar oportunidade aos seus co-pilotos de alcançarem o cargo de comandante.

Com esta ação a EasyJet parece estar em franco crescimento. A companhia opera 802 rotas em 132 aeroportos de 31 países.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Curimedia

Easy Jet queria vir para Portugal, mas fez uma exigência que a ANAC não quis conceder

A Easy Jet está à procura de um estado membro da UE para poder instalar a sua sede europeia. A iniciativa surge porque a companhia é de nacionalidade britânica e, com o Brexit, precisa de um novo certificado de operação aérea na União Europeia. 

Com esta ação a Easy Jet não vai abandonar o Reino Unido, mantendo no país a maioria da sua operação. A nova sucursal vai servir apenas de plataforma onde a companhia terá registados alguns aviões da sua frota, passando estes a ostentar a bandeira do estado membro que os acolher.

De acordo com o Diário de Notícias a companhia britânica estaria fortemente inclinada a instalar a nova sede em Portugal ou Áustria, sendo Portugal o favorito. No entanto uma das condições impostas pela Easy Jet pôs fim às negociações, sendo praticamente certo que o país escolhido será a Áustria.

Para se radicar em Portugal, a Easy Jet pediu à Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), que cedesse a sua posição de regulador à autoridade do seu país de origem. Na prática a Easy Jet queria continuar a responder perante o regulador da aviação britânico, mesmo estando a operar em Portugal. A ANAC considerou que esta era uma linha vermelha que não poderia ser ultrapassada e pôs fim ao processo de negociação.

O processo de criação de uma sede da Easy Jet na União Europeia deve demorar um ano a ser concluído e a companhia estima custos na ordem dos dez milhões de euros. A operação está a ser realizada agora porque a empresa “não se pode dar ao luxo de esperar para ver o que acontece com o Brexit”, referiu Carolyn McCall, presidente da Easy Jet.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Flight Chic

Lawrence Leyton, famoso especialista em fobias, criou um curso para quem tem medo de voar.

Lawrence Leyton criou o Fearless Flyer para quem tem medo de voar

De acordo com a Easy Jet uma em cada seis pessoas tem medo de voar. Foi precisamente com base nestes números que a companhia decidiu criar um curso online onde Lawrence Leyton, especialista em fobias e um dos “mais experientes comandantes” da companhia britânica ajudam os inscritos a supera-lo.

“O medo de voar pode estar relacionado com vários aspetos como ter medo das alturas, medo de estar em espaços fechados ou até medo da turbulência” pode ler-se no site www.fearless-flyer.com. Através de ensinamentos em torno da compreensão da descolagem e aterragem, a clarificação de mitos e até a elucidação sobre as apertadas medidas de segurança que rodeiam a atividade aérea este curso tem como objetivo retirar às pessoas que o façam o medo de voar.

O curso, disponível online, oferece um manual gratuito, mas tem o valor de €47. Os 16 módulos são constituídos por vídeos interativos e apenas estão disponíveis em alemão, inglês, espanhol, francês e italiano.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt