Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Madrid, Espanha

Noite, Tascas, Equilíbrio e Descobertas


Ao sair de Copenhaga e aterrar em Madrid suspiramos CASA… temos essa sensação quando sentimos que há milhares de pessoas nas ruas à noite, as esplanadas e restaurantes estão repletos daquele burburinho estridente tipicamente espanhol. A palavra “frio” ganha uma dimensão de fresquito ou talvez uma brisa! Sentimos o cheiro familiar de comida reconfortante e os sorrisos de partilha de umas boas tapas nas várias tascas na zona das Huertas! Uma porta discreta na Calle Ave María é a entrada para um do sítios mais madrilenos: o bar Melo’s – é tudo o que imaginamos de uma tasca portuguesa mas podemos petiscar pimentos padron, empanadas, croquetas e pedir uma enorme zapatilha (que não param de sair de trás do balcão) sempre acompanhados de revigorantes cañas geladas!

Bar Melo’s

Nunca é demais aproveitar a vista do Círculo das Bellas Artes, ver uma exposição e almoçar no fantástico restaurante ou explorar a zona de Noviciado, onde encontrámos ao virar da esquina o Museo ABC, escondido entre prédios! Para além das suas lojas e ambientes diferentes fiquei a conhecer o Café Federal com opções vegetarianas deliciosas!

Fachada do Museo ABC
Pormenor do Restaurante
Exposição de Lisboa de Pessoa, no Círculo de Belas Artes
Vista do Círculo das Belas Artes

Madrid tem um equilíbrio admirável entre os habitantes e os turistas, entre os espaços urbanos e os espaços verdes, entre o trabalho e o lazer, entre o tradicional e o contemporâneo e sinto isso de cada vez que a visito e vou explorando novos pontos da cidade.

Mas como o tempo era pouco para deambular, optei por uma viagem de autocarro desde as Torres Kio até à Fuente de Cibeles, um percurso muito interessante de descobertas e novos pontos de vista para relaxar um pouco e dar uma vista de olhos nessa avenida enorme.

Torres Kio

Em Madrid, além de ficar a faltar espreitar muitas outras coisas, fez-me falta ir ao Retiro. Um dos meus espaços favoritos de Madrid.

De volta, para variar do avião, escolhi o comboio directo até Coimbra. A viagem dura aproximadamente oito horas, mas como é feita à noite passa num instante, entre conversas no bar do comboio e uma soneca já estamos a chegar, pelas cinco da manhã, à cidade do Mondego.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Copenhga, Dinamarca

Tecnologia, Água, Jardins, Escultura


A única cidade nesta viagem que ainda não conhecia e tinha enormes expectativas, se calhar por isso foi a menos entusiasmante. Confesso que ficou aquém do que esperava e talvez seja a consequência de muitos factores que fizeram esta minha passagem pela Dinamarca menos excitante: já estava no fim da viagem, é bastante cara, a chuva e o vento não ajudaram, não me cruzei com as pessoas mais simpáticas e a cidade estava em obras profundas. Tudo isto aliado à minha expectativa elevada fez com que a minha visita não correspondesse ao que esperava.

Vista de Copenhaga

No entanto conheci zonas incríveis, descobri locais extraordinários e quero lá voltar (sem obras e no verão) para poder tirar mais partido das ofertas da cidade.

Ao sair do aeroporto fomos recebidos com um nível de tecnologia muito próprio, ao qual não estamos habituados! Apanhámos o metro inteligente que para além de marcar ao ½ minuto o tempo de espera, não tem condutor! Claro que ocupámos logo os lugares da frente e delirámos como crianças numa viagem ao espaço (e no tempo)!  A importância dos transportes é evidente, sendo essa também a principal razão das grandes obras no centro da cidade – há um grande investimento e um grande respeito pelo transporte público.

Fiquei em Nytorv, onde era o antigo porto. Encontram-se ainda barcos antigos estacionados no canal perto dos bares e restaurantes. Perdemos de vista os canais que rodeiam Copenhaga, uma cidade marcada pela água que vai invadindo e definindo o seu desenho nas suas ilhas, criando diversas paisagens e novos pontos de vista. As várias pontes, as muitas margens dão uma dinâmica muito intensa e entusiasmante à medida que a exploramos.

Metro
Nytorv
Barcos de Nytorv
Canais de Copenhaga

A partir de Nytorv era fácil aceder a pé às zonas mais interessantes. Passando a ponte estava na ilha de Christiania, em Papirøen: armazéns recuperados com um mercado de street food e o CC (Copenhagen Contemporary) que merece uma visita pela qualidade das exposições!

Vor Frelsers Kirke
Papirøen
Papirøen

Claro que não podíamos deixar de ir a Fristaden Christiania, a comunidade independente com autogestão e leis próprias. Além do seu lado caricato e alternativo com um cenário muito fora do real; o mercado de drogas leves é também uma atração local. Não é possível tirar fotos, por isso há que viver o espírito de Christiania e relembrá-lo mais tarde num relato dos episódios inéditos!

Uma grande presença na cidade é o verde com os seus muitos Jardins. As zonas de habitação menos centrais elevam os seus jardins como o “exlibris” da casa e na zona mais urbana há um anel verde de vários jardins que rodeiam a cidade. O mais turístico é o Kasteelet – além da sua forma em estrela como uma fortaleza e dos seus moinhos plantados pelas zonas mais altas, é nele que se encontra a estátua da pequena sereia, um dos símbolos de Copenhaga. O ideal é percorrer esse roteiro de jardins passando pelo Botanisk Have e também pelo Østre Anlæg.

Pequena Sereia
Moinhos de Kasteelet
Kasteelet

Em Amalienborg temos uma visão muito interessante do diálogo entre o tradicional e o contemporâneo. No meio da praça do palácio (onde pude assistir, com sorte, ao render da guarda) de um lado podemos ver a Frederiks Kirke: um edifício de mármore imponente e do outro a marcante Operaen, na ilha Holmen: edifício oferecido à cidade pela A.P. Møller and Chastine Mc-Kinney Møller Foundation, uma das óperas mais caras da atualidade e desenhada pelo arquitecto Henning Larsen. Mesmo ao passear pela cidade temos esse diálogo evidente entre as novas construções com um traço muito nórdico, muito “clean” e os detalhes dourados e pormenores exuberantes dos edifícios mais antigos ou as casinhas com fachadas coloridas que marcam algumas praças e marginais.

Centro da Cidade
Operaen
Operaen
Vista para a Operaen
Frederiks Kirke
Render da Guarda

Para uma boa pausa, uma café e uma deliciosa fatia de tarde vale a pena parar na Studenterhuset, um espaço dedicado aos estudantes mas que qualquer um pode usufruir, com vários jogos de tabuleiro disponíveis, quiz e eventos.

Com pena, o parque diversões Tivoli (dos mais antigos da europa e que inspirou a Disney) estava fechado nesta altura do ano, mas tudo funciona e é uma das atrações situado mesmo perto da Rådhuspladsen, os equipamentos são lindíssimos e inspiram um sonho nostálgico de fantasia e animação de um outro tempo.

Das várias ofertas culturais da cidade escolhi visitar o Danish Museum of Art & Design. Para quem se identifica com a área do design, é um espaço muito rico de elementos, informação e o seu espólio deixa a curiosidade desperta para procurar mais e registar alguns dos elementos que marcaram o mundo do mobiliário, em especial destaque a sala das várias cadeiras desenhadas, desenvolvidas e produzidas nas últimas décadas.

O espaço que mais marcou a minha visita a Copenhaga foi a Glyptoteket – uma ode à Escultura. É poderosa a sensação de entrega e incredulidade face ao edifício e ao seu conteúdo! Na verdade não há muitas palavras para descrever as horas que passei nesse espaço, merece mesmo uma visita com tempo e disponibilidade para nos perdermos pelas salas e corredores com as mais peculiares expressões das personagens presas num registo de pedra, metal, madeira ou outro material meticulosamente definido e trabalhado pelo seu escultor. O seu jardim interior remete-nos para outra dimensão, uma tranquilidade e bem estar é constante e está várias vezes visível no percurso do edifício presenteando-nos com várias perspectivas da sua flora em sintonia com as obras de arte.

Glyptoteket

Copenhaga, quero voltar. Ficou muito por descobrir e um novo contexto (com mais sol e menos obras) pode ser o que falta para ser a cidade que ansiava.

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Colónia, Alemanha

Luz, Magia, Acolhedora e Berliner


Colónia, a cidade galeria pela sua concentração artística por metro quadrado, pela sua beleza delicada e pela sua catedral inigualável. Nas minhas viagens gosto de registar a luz das cidades e Colónia tem algo enigmático e controverso no seu pôr do sol – uma luz que intimida mas que aconchega ao mesmo tempo…

É desconcertante a chegada pela estação central. Sem estar à espera, ao sair, impõe-se sobre a nossa pequena figura humana a catedral mais dramática, profunda, detalhada e intemporal. É sem dúvida um dos pontos mais importantes da cidade e não se consegue ser indiferente.

Catedral de Colónia

Mesmo nesta zona encontra-se o Museum Ludwig que apresenta uma linha temporal no mundo da arte moderna muito bem organizada, com vários salões que também expõe artistas contemporâneos, além da sua arquitectura que liga de forma exemplar o seu conteúdo expositivo excelente com a envolvente da catedral, a praça principal e a margem do Reno.

Museum Ludwig

Se estiver bom tempo vale a pena cruzar a ponte dos cadeados coloridos e ir até ao miradouro no último piso do KölnTriangle e aproveitar o pôr do sol sobre a cidade e sentir a magia do tempo sobre o espaço.

Ponte Deutzer
vista de KölnTriangle

Colónia, para além de ter uma escala acolhedora tem uma energia muito tranquila e uma vida na rua que envolve quem visita. Perdemo-nos nas ruas do centro e descobrimos cafés simpáticos, galerias inspiradoras, lojas (como a Lego Store) que nos remetem para outros mundos, o típico pão com a salsicha alemã nos vários quiosques e vitrines deliciosas de doces e Berliner – os bolos típicos que inspiraram as Bolas de Berlim e que nos deixam com sorrisos de açúcar.

LegoStore

Berliner

A quem se interessar especialmente por arquitectura aconselho uma visita ao Kolumba Kunstmuseum, reabilitado a partir de ruínas de uma igreja pelo arquitecto Peter Zumthor. O seu conteúdo é maioritariamente religioso mas o edifício e os seus pormenores são realmente intrigantes e meticulosos. Justificam uma visita por todo o espaço; de qualquer maneira dá para ir à zona da capela e visitar essa parte sem ser necessário adquirir bilhete.

 

Kolumba Kunstmuseum
Kolumba Kunstmuseum

Mais ao fim do dia, podemos explorar os bares da zona universitária com vários ambientes: uns mais festivos, outros mais descontraídos ou até intimistas. Se o  plano fôr mais calmo podemos ir à zona entre Rudolfplatz e Friesenplatz com restaurantes e cafés/galerias (Kunstbruder Bar) muito diferentes com muita personalidade, alguns com decorações temáticas e outros mais discretos mas muito aconchegantes.

Ao despedir fica já a saudade e o sorriso luminoso de quem voltará!

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

São vários os destinos que a transportadora irlandesa apresenta a partir de €9,99

A Ryanair acaba de disponibilizar 250 mil lugares em voos para destinos europeus com preços a começarem nos €9,99. A campanha que começa hoje, 11 de julho, termina no próximo dia 14 e diz respeito a viagens nos meses de outubro e novembro.

Os destinos com preços a começarem nos €9,99 incluem destinos como Paris, Luxemburgo ou Ponta Delgada, a partir de Lisboa. Birmingham, Frankfurt ou Bruxelas, a partir do Porto e Bristol Newscastle ou Londres a partir de Faro

Para ver todos os destinos desta campanha aceda aqui.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Berlim, Alemanha

Cinzento, Arte, Hospitalidade e Cheesecake


Onde o cinzento é uma cor feliz. Berlim tem tanto de ruidoso, bruto e degradado como de artístico, luminoso e imponente. O melhor é que está tudo misturado e envolvido numa cidade que nos deixa embebidos nesses opostos.

Bonjour Tristesse

Há um peso muito grande e denso da história conturbada da cidade, restos de muro, cicatrizes de balas nos edifícios e pedaços de lembranças menos felizes. Talvez como uma tentativa de superar essa âncora presa ao passado, Berlim é uma explosão de arte por todas as suas formas mais ou menos delicadas. É surpreendente a dureza e ao mesmo tempo a sensibilidade que se consegue absorver na capital alemã. A hospitalidade berlinense é evidente e muito entusiasmante, apesar de eles serem fortemente bairristas têm um orgulho enternecedor de pertencerem a Berlim e têm uma vontade genuína de nos mostrar o porquê dessa paixão!

Na zona de Mitte, entre Oranienburger Tor e Rosenthaler Platz percorri galerias, vi o que se produz de melhor pela cidade, visitei o KW Institute for Contemporary Art e o ME Collectors Room. Até o almoço de uma deliciosa falafel foi acompanhado com um ambiente artístico no bar/galeria Dada Falafel.

Na Tucholskystraße encontra-se a Princess Cheesecake, para todos os amantes de cheesecake é uma tentação num mundo encantado das princesas!

Friedrichshain é o melhor sítio para ficar a dormir em Berlim, há muita oferta de restauração, bares e hostels com muita vida e agitação! Perto desta zona mais alternativa há um edifício todo ocupado por escritórios de arquitectura e design com exposições constantes: o DAZ – Deutsches Architektur Zentrum.

Deutsches Architektur Zentrum

Museus a não perder são tantos que nos perdemos neles e por eles! Mas deixo umas dicas de museus que não são tão óbvios nos roteiros: o Tchoban Foundation – Museum für Architekturzeichnung onde tive a sorte de apanhar uma exposição deliciosa da obra de Peter Cook; o Bauhaus Museum pelo edifício e pelo seu conteúdo entusiasmante que cruza as várias vertentes artísticas, a Contemporary Fine Arts Galerie muito perto da ilha dos museus e que envolve de uma maneira muito inteligente a contemporaneidade com o envolvente histórico; a sala de exposições KunstHalle by Deutsche Bank; e a Berliniche Galerie com uma oferta enriquecedora da sua colecção de produção artística de 1880 a 1980 assim como salas enormes dedicadas à produção contemporânea. Vi neste museu uma das melhores exposições desta viagem: “The Art Show” de Edward e Nancy Kienholz – uma galeria dentro de um museu em que os visitantes se confundem com as próprias obras que são personagens numa inauguração… Com pena não apanhei o Sammlung Boros aberto, mas quero voltar e ir visitar!

Contemporary Fine Arts Galerie

No passeio pela cidade (aconteceu por um motivo que me é alheio) deparei-me com a avenida principal Unter den Linden, que vai da Alexandreplatz até as portas de Brandenburger, completamente fechada ao trânsito, com um céu cinza denso, deserta e intrigante como um cenário trágico de um filme! Que sensação de desconforto e de realidade aleatória! Berlim dá-nos sempre uma experiência de mundo que nos é difícil. Depois de Berlim, somos obrigatoriamente pessoas diferentes!

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Bruxelas, Bélgica

Amizade, Canais, Cerveja e Bicicletas


Tenho um carinho muito especial pela Bélgica e como já tinha saudades voltei para visitar velhos amigos e aqueles lugares que me marcaram no ano em que lá vivi! É um óptimo cenário para celebrar a amizade e todas as coisas boas que ela traz consigo.

Em Gante, entre torres e pontes, encontramos lugares incríveis para nos perdermos. Tem uma escala muito próxima e acolhedora, muita gente animada na rua, jardins escondidos entre os vários canais e casinhas tradicionais que lhe dão um ar fantástico e quase surreal. Aconselho uma visita à livraria Copyright em Jakobijnenstraat e mesmo ali pertinho há o restaurante de almôndegas Balls & Glory que vale a pena experimentar! Qualquer boa conversa entre amigos vem acompanhada de uma boa cerveja e a Bélgica é o país da melhor cerveja do mundo e em qualquer bar se pode pedir a lista e apreciar o potencial que uma cerveja pode ter: a cor, o aroma, o sabor, o gás, a intensidade e o sorriso depois de provar! Não pode falhar uma visita ao Vooruit e ao Poeljemarkt. Descobri o Museum Dr. Guislain que era um antigo hospital psiquiátrico e que merece, sem dúvida, umas horas para explorar!

Centro de Gante
Canais de Gante
Centro de Gante
Cerveja belga
Museum Dr. Guislain

Quer Bruxelas quer Antuérpia já têm uma dimensão mais próxima da metrópole e uma agitação mais urbana e intensa. Quando vou à capital belga e europeia gosto sempre de sair na estação de Buxelles – Midi / Zuid e passar pelo Bairro Português, espreitar o Marolles Flea Market em Place du Jeu de Balle e andar à deriva entre ruas e ruelas até chegar à zona da Estação Central. Desta vez parei no parque de estacionamento Parking ’58, apanhei o elevador até ao topo e voilá, uma vista fantástica da cidade! Passei pela zona Marché au Porcs e o bairro de Molenbeek, interrompidos por galerias, pequenas lojas, cafés simpáticos e intervenções artísticas até chegar ao MIMA! Bruxelas tem bairros plantados por culturas diversas e referências distantes que confere à cidade uma nostalgia de quem deixou o seu país para trás à procura de uma vida melhor!

Bairro Português
Marolles Flea Market
Melhores waffles da Bélgica
Vistas do Parking ’58
Bairro de Molenbeek
Centro de Bruxelas

Antuérpia: a cidade porto. A cidade que está a mudar. A cidade atual!  Uma chegada pela estação de comboios é arrebatadora, ficamos desconcertados com a sua dimensão e a sua estrutura! Muitas bicicletas (como em todas as cidades belgas) que cruzam as ruas e as praças, o chiar dos trams, o som da água a bater na margem e o burburinho animado de quem passeia pelo centro preenchem uma cidade cheia de vida cultural. Desta vez não fui ao incrível Museum aan de Stroom porque tinha pouco tempo, então resolvi ir ao outro lado da cidade, a Sint-Andries descobrir uma outra forma de comércio, exposições, grafittis, design… que mantêm Antuérpia com a sua contemporaneidade fervilhante em equilíbrio com o lado mais antigo e nostálgico à beira rio (escadas rolantes de madeira são das mais antigas em funcionamento). Que bom voltar a Antuérpia e despedir-me olhando mais uma vez a estação!

Antuérpia

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Estocolmo, Suécia

Gelo, Tarte de Queijo, Disponibilidade e Sorrisos


De volta a Estocolmo, confesso que não deu para resistir a uma visita fugaz a uma das minhas cidades de eleição! Desta vez deparei-me com um Inverno Sueco! Não há frio… há gelo! É uma nova estação do ano que nós não conhecemos aqui pelo sul. O ar gélido entra pelo nariz (qual nariz?) e percorre todo o corpo que se mantém tenso e contraído, até conseguirmos entrar num sítio aquecido e voltarmos a respirar normalmente! Chás, cafés e uma reconfortante Tarte de Queijo (Käas Tart) vinda do forno para conseguir sobreviver às adversidades meteorológicas!

Paisagem a caminho de Estocolmo

Descobri que há muitas lojas que são autênticas fontes de inspiração de design e arquitectura e galerias que estão de portas abertas para uma visita e uma boa conversa! Mais uma vez a disponibilidade e a vontade de nos incluir nos próprios projectos, do interesse genuíno por outras perspectivas, fazem de Estocolmo uma cidade inclusiva e interessante. Uma fatia de tarte de frutos vermelhos e molho de baunilha no Café String, inspira-nos para mais uns passeios por Södermalm.

Sveavägen, Estocolmo
Studio44
Norrbro – passagem para Södermalm

Apesar do frio, da neve e das regras e horários, há sempre sorrisos e boa disposição para partilhar em Estocolmo.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Londres, Inglaterra

Clássico, Gin, Chuva e Cinnamon Buns


Londres: a classe de mãos dadas com o caos! Um clássico a visitar sempre que possível: andar de autocarro, piscar o olho ao London Eye, ouvir o “mind the gap” e infiltrar-se descaradamente na cidade do mundo onde os sotaques infinitos são poesia urbana!

Londres 50
Casa decorada com arvores de natal que emolduram a foto de rainha

Como em “Roma sê romano”, em Londres, bebe Gin! Fomos ao World’s End pub em Camden Town comer o smoked pulled pork & slaw sandwich (fatias de carne e molho picante) acompanhado do gin tónico e em que a única pergunta do barman é “single or double?”! Não há listas de gins, nem especiarias, nem copos balão: há copo alto, gelo, limão ou pepino, tónica e gin (double, para quem estiver com coragem!)

Gin tónico

Como não podia deixar de ser, um passeio pelo parque antes de anoitecer, brindados com uma luz incrível, uma paisagem reveladora do cimo do Primerose Hill e uma chuva miúda que torna o cenário ainda mais londrino!

Primerose Hill
vista do Primerose Hill

Visitamos o novo e recuperado Design Museum em Kensington. O fim de semana chuvoso e os museus gratuitos resultaram numa enchente de pessoas que trouxeram uma vida e uma energia contagiante ao local. Muita cor, formas, desenhos e objectos que todos conhecemos transformam a visita numa viagem pelo tempo!

Design Museum

Uma nova descoberta gastronómica para saborear em plena Leicester Square são os bolos de canela: Cinnamon Buns, acabados de fazer e que se compram no pequeno quiosque Cinnabon (Coventry St.). São deliciosos, quentes, cremosos e com um toque de canela que nos transporta para um universo de conforto e felicidade, mesmo numa praça desabrigada, com aquela chuvinha e um vento que intensifica os três graus.

Cinnamon Buns

London, live twice in the same city!

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Europa a Voar

mariana-abrantestexto e fotos Mariana Abrantes
geral@w360.pt

 Barcelona, Espanha

Cor, Movimento, Quarteirões, Pedaços


A cidade que dança! Um rodopio de cores e sons de que se disfruta sem arrependimentos independentemente do tempo que lá ficamos. Apesar de agitada e turística, Barcelona não cansa nem se desgasta, mas renova-se e acolhe-nos sempre de braços abertos! Fiquei na zona de Eixample, dos famosos quarteirões que se prolongam por ruas e avenidas perpendiculares e que nos deixam completamente sem noção do norte!

Eixample

Os edifícios por dentro são igualmente labirínticos com vários pátios interiores, corredores e recantos que nos deixam de novo perdidos em relação à entrada da rua. Aproveitei para ir petiscar ao Senyor Vermut, onde as tapas, as cañas e o vermute são o essencial para uma noite divertida entre amigos!

Dos meus passeios entre Ramblas e Bairro Gótico descobri dois sítios onde vale a pena “tropeçar”: O (CCCB) Centre de Cultura Contemporània de Barcelona, um edifício surpreendente com exposições que são incrivelmente generosas e entusiasmantes!;

1000 m2 of desire – Architecture and sexuality
1000 m2 of desire – Architecture and sexuality

O El Born (Centre de Cultura i Memòria) um antigo mercado que foi o primeiro grande edifício da arquitectura de ferro, estava a ser reabilitado para ser uma biblioteca, quando descobriram algumas ruínas valiosas do período medieval e do século XVIII, alterando o propósito do projecto para um centro cultural que cruzaram vários tempos, vivências e funções de um só espaço.

El Born

Seguindo o movimento da cidade fui parar ao coração dos negócios, tecnologia, arquitectura contemporânea e ao Museu del Disseny! Um museu que aborda vários mundos do design espanhol e que serve de incubadora para novos projectos. O edifício dialoga com o percurso da exposição deixando-nos entusiasmados com a novidade da sucessão de espaços entre salas e escadas rolantes!

Exposição de design de moda, Museu del Disseny

Consegui ir ainda a uma zona industrial com vários edifícios que estavam inactivos e que foram ocupados por novos estúdios de arquitectura, design, danças, artes plásticas, música, etc… Esta apropriação é também muito comum nas zonas antigas mais perto do centro, nos edifícios que deixaram de ter as suas funções originais e que estavam abandonados.

Barcelona, a cidade que se compõe com pedaços coloridos e diferentes, compostos por pessoas, lugares e sons como uma fachada do Gaudi.

Torre Agbar
Ruas de Barcelona
Vista da Sagrada Familia
Fachada do Museu d’Art Contemporani de Barcelona
Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Lugares

fotos Catherine Carvalho
geral@w360.pt
  

Viajar é percorrer lugares nas diversas multiplicações que nos proporciona. São elas os monumentos, os jardins, a arquitectura e a gastronomia. Catherine Carvalho, uma amante por espaços verdes, trouxe-nos alguns dos jardins da Europa pelos quais caminhou.

Portugal, Bélgica, Reino Unido, Alemanha e Holanda foram os países eleitos pelo olho desta jovem fotógrafa, que percorre a Europa para estar com as pessoas que ama, mas sobretudo para imortalizar as cidades nas adversidades das quatro estações.

1 Kralingse Bos, Roterdão

2 Palácio de Sanssouci em Potsdam, Berlim

3 Hyde Park, Londres

4 Brugge, Bélgica

5 Parque l`Abbaye de la Cambre, Bruxelas

6 Escola superior de artes visuais no Jardim Abbaye, Bruxelas

7 St Jean Pla de Corts, Sul de França

8 Quinta da Regaleira, Sintra

9 Bosque de Braine le Comte, Bélgica

 

 

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt