Roteiros

claudia-paivatexto e fotos Cláudia Paiva
claudiapaiva@w360.pt

vídeos Diogo Pereira

São Miguel, Açores, Portugal

Bem vindo a São Miguel, a maior das nove ilhas que compõem o arquipélago dos Açores. Neste roteiro vou dar-lhe umas dicas para que se possa perder pela ilha verde onde moram as vacas mais felizes do mundo, mas para que também possa encontrar os restaurantes com uma das mais singulares gastronomias do país.

Este é claramente um destino para quem gosta de se encontrar com a natureza. Vamos trocar os museus pelos campos de cultivo de alguns dos produtos de excelência que chegam às mesas de milhões de consumidores. Como o chá, o queijo ou a fruta (os ananases!).

Aproveite para limpar os pulmões e a alma. Está no paraíso!

São Miguel
 Portugal
Português
 137 699 hab. (2011)
Euro (EUR)
 GMT -1
Europeias, 2 pinos
+351
 112
As temperaturas médias de inverno, entre dezembro e março, não descem além dos 16ºC, no entanto a pluviosidade aumenta durante estes meses. No verão as temperaturas diurnas centram-se por volta dos 25ºC (entre maio e setembro) e geralmente não são inferiores a 18ºC durante a noite. Qualquer altura é boa para visitar São Miguel, mas não dispense o guarda chuva porque num só dia pode encontrar o sol mais radiante como logo a seguir pode cair uma grande chuvada.

Dia 1

Portas da Cidade de Ponta Delgada
11:00 – 12:00


Praça Gonçalo Velho

A primeira coisa que vai ter que fazer quando chegar ao aeroporto de Ponta Delgada é tratar de um automóvel. A cidade é pequena sendo que a forma mais simples e rápida para se deslocar é de automóvel.

Ponta Delgada modernizou-se mas mantém as suas ruas estreitas, repletas de comércio tradicional, mercados e igrejas. As Portas da Cidade dão-lhe as boas-vindas. Estão localizadas no centro histórico e foram construídas em 1783 como símbolo da primitiva defesa terrestre da cidade. Do lado esquerdo vai encontrar a Igreja Matriz de São Sebastião.

Ilha Verde Rent a Car é uma das ofertas mais económicas para alugar carro. No aeroporto tem um balcão para tratar dos documentos necessários. O meu conselho é reservar a sua viatura antecipadamente através do site ou do telefone.
aceda ao site
 917 761 666

Quinta dos Açores 
12:32 – 14:00


Caminho da Levada 134, Fajã de Baixo
a partir de €6,5
segunda a sexta: 10:00 às 22:00 | sábado e domingo: 9:00 às 22:00

aceda ao site

Comece esta viagem por uma das melhores coisas que a ilha pode oferecer: uma boa refeição. A minha sugestão é ir almoçar à Quinta dos Açores e escolher a Açorianinha.

Prove a Açorianinha

Feita com Bolo Lêvedo e um molho especial à base de vinho do Porto, vai lembrar-se da Francesinha do Porto, mas esta tem um sabor mais forte.

Para sobremesa escolha os gelados produzidos nos açores e desfrute da vista para os pastos verdejantes onde moram as vacas mais felizes do mundo.

 

Perca-se pelos campos onde se cultiva o Chá Gorreana

Fábrica de Chá Gorreana
14:30 – 15:40


Maia
 gratuito
 segunda a sexta: 8:00 às 19:00 | sábados e domingos: 9:00 às 19:00

 Na loja da fábrica pode comprar chá a partir de €0,94

aceda ao site

O Chá Gorreana, além de ser um dos chás pretos e verdes mais conhecidos de Portugal, é famoso também por ser produzido na mais antiga fábrica de chá da Europa, em actividade desde 1883.

A produção ainda é feita de uma forma tradicional e com maquinaria simples. É um processo tão natural que ainda hoje os ramos que vêm presos às folhas de chá, são retirados à mão por um grupo de mulheres.

Durante a visita à fábrica aprendemos que para cada processo de produção de chá é preciso ter em atenção a idade das diferentes folhas uma vez que estas produzem composições químicas diferentes, que vão dar origem aos diferentes sabores e aromas.

A visita a todos os espaços é gratuita e no final tem direito a uma degustação de chá à escolha. Se ficar rendido, a loja espera-o a saída.

Embalagem de chá verde da Gorreana

 

Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões
16:15 – 17:15

Estrada Regional, Achada

Situado no concelho do Nordeste, depois de passar por longos mantos verdes e muitas curvas chegará à Ribeira dos Caldeirões. O som da queda da água vai leva-lo rapidamente ao seu destino.

Ficará seguramente durante vários minutos a contemplar a queda de água e a tranquilidade da natureza.

Ao longo do parque observe os diversos moinhos de água, visite o Museu Etnográfico e as antigas casas de moleiro, hoje transformadas em turismo rural e lojas de artesanato.

O espaço conta com serviços de cafetaria, um parque de merendas preparado com todo o equipamento necessário para fazer assados e ainda um parque infantil.

Miradouro de Santa Iria
17:00 – 17:15


Ribeira Grande

Antes de regressar ao centro de Ponta Delgada, apreciar a vista de diferentes pontos da ilha é obrigatório. Se tiver pouco tempo o difícil vai ser controlar-se para não parar em todos. A minha sugestão é o Miradouro de Santa Iria, situado perto da aldeia de Porto Formoso, nos arredores da cidade de Ribeira Grande. O miradouro espelha bem a verdejante beleza da magnífica ilha de São Miguel, rodeada pelo vasto azul do Oceano Atlântico.

Existem cerca de 60 miradouros ao longo de toda a ilha, aproveite tempo e pare naqueles que forem mais próximos do seu percurso

Restaurante da Associação Agrícola de São Miguel
20:30 – 23:00

Campo de Santana (recinto da feira), Ribeira Grande
a partir de €16
todos os dias: 12:00 às 23:00

aceda ao site

Para terminar o dia a minha recomendação é um jantar no restaurante da Associação Agrícola de São Miguel. Um espaço amplo e harmonioso é conhecido por servir os melhores bifes de vaca num ambiente acolhedor e com um atendimento rápido e simpático.

Um dos melhores bifes de vaca de São Miguel

 

Dia 2

Plantação de Ananases Dr. Augusto Arruda
09:00 – 09:45


Dr. Augusto Arruda, Fajã de Baixo
 gratuito
 abril a setembro: todos os dias – 09:00 às 20:00 | outubro a março: todos os dias – 09:00 às 18:00

aceda ao site

Na Fajã de Baixo, as Estufas e Plantações de Ananases são paragem obrigatória. Inserida numa antiga quinta de laranjas, a Plantação de Ananases Augusto Arruda foi criada no início do século XX.

Ao longo do percurso podemos observar os diferentes momentos do desenvolvimento da planta que precisa de dois anos para crescer e dar fruto.

Hoje a Plantação de Ananases Augusto Arruda conta com mais de 100 anos de História e com milhões de quilómetros percorridos por alguns dos frutos ali produzidos que são exportados para todo o mundo. No final pode provar o licor de ananás, uma receita da família e exclusiva da Plantação.

No final da visita à Plantação de Ananases Augusto Arruda aproveite a loja para comprar um licor ou uma compota feitos com os ananases da quinta.

Lagoa do Fogo
10:00 – 10:30

Ribeira Grande

De seguida vá em direcção à Lagoa do Fogo, situada numa posição central da ilha. A caldeira vulcânica, onde se encontra a lagoa, corresponde ao colapso da cratera do estrato-vulcão do Fogo.

Enquanto estiver em São Miguel não vai conseguir deixar de se surpreender com as paisagens deslumbrantes que vai encontrar

Furnas
11:30 – 12:00

Furnas
€1

 O cheio a enxofre sente-se em quase toda a zona envolvente do parque, mas só é intenso próximo das furnas. Se fôr sensível, pode não se aproximar muito, mas não deixe de entrar

Vir aos Açores é uma experiência gastronómica única, só aqui consegue comer o cozido feito pelos vapores quentes das furnas de origem vulcânica. Sugiro que visite as Furnas antes do almoço: é por esta hora que os vários restaurantes das redondezas começam a preparar o cozido. Ver como se faz o cozido é uma experiência muito olfativa. Se fôr sensível a cheiros nauseabundos, prepare-se. O que vai sentir vai será um cheiro muito intenso a enxofre, mas uns minutos depois de lá estar, torna-se suportável.

Fique atento ao percurso de carro. Vai passar pela “Casa de Cabeça para Baixo” que é um edifício da empresa de electricidade EDA. Tente descobrir se há algo de errado com esta construção…

O Miroma
13:00 – 14:00


Dr. Frederico Moniz Pereira 15, Furnas
Cozido das Furnas a partir de 15€
 quinta a terça: 12:00 às 15:00 e 19:00 às 00:00 | quarta: fechado

Agora que já sabe o que o cozido tem de especial o melhor mesmo é saborea-lo! Escolhemos o restaurante O Miroma, localizado perto das Furnas. No caminho para lá ainda conseguimos comprar Bolo Lêvedo para o lanche.

Muitos legumes, carne e arroz. Assim é servido o famoso cozido das furnas. O sabor é maravilhoso.
Bolos Lêvedos Rosa Quental. Descore este nome porque é um dos melhores lugares para comprar esta iguaria. São feitos de forma artesanal e vendem-se numa lojinha à beira da estrada, bem perto do Restaurante O Miroma

Poça da Dona Beija
14:30 – 17:00


Terreiro 11, São Roque
adultos: €4 | crianças até seis anos: €3,5
 todos os dias: 7:00 às 23:00

 A piscina mais pequena tem 8o cm de profundidade e a maior 1,30m. A temperatura da água atinge os 39ºC

aceda ao site

Aproveite  a tarde para usufruir das águas quentes e sulfurosas da Poça da Dona Beija. Uma nascente pública onde a água quente cai nas diferentes piscinas de tamanho e temperatura diferentes e num espaço rodeado pela natureza.

Na entrada vai receber um cesto de plástico para colocar a sua roupa e objectos pessoais, pode levar o fato de banho e trocar-se nos  balneários.

Os balneários não têm cacifos por isso evite levar objetos demasiado valiosos.

Cais 20
20:00 – 22:30

Terreiro 11, São Roque
a partir de €20 por pessoa
todos os dias: 12:00 às 05:00

aceda ao site

Lapas, amêijoas, pão com alho e uma carta de marisco para passar o resto da noite. Por norma está cheio, deve reservar com antecedência. O restaurante fica junto ao mar e pode aproveitar para dar um passeio.

Não saia do Cais 20 sem provar as Lapas

Baía dos Anjos
22:30 – 00:00

Portas do Mar, loja 22, Ponta Delgada
 todos os dias: 22:00 às 4:00

aceda ao site

Para passar o resto da noite, a minha sugestão é o bar Baía dos Anjos. Fica nas Portas do Mar e tem uma vista magnífica sobre a baía. Ideal para beber um copo ou tomar um café.

Alguns apartamentos de Ponta Delgada têm taxas de limpeza que não são incluídas no preço de reserva do Booking.com e de outras plataformas online. Fique atento porque estes valores podem rondar os €30 e são obrigatórios.

DIA 3

Mercado Municipal de Ponta Delgada
 09:30 – 10:30

Rua do Mercado, Ponta Delgada
segunda a quinta: 7:00 às 18:00 | sexta: 7:00 às 19:00 | sábado: 7:00 às 14:00 | domingo: fechado

Comece o dia a visitar o Mercado Municipal de Ponta Delgada onde pode comprar as frutas e produtos típicos da região.

No Rei dos Queijos vai conseguir comprar todos os queijos que são produzidos nas ilhas açorianas e também o chá Gorreana, o Bolo Lêvedo, as conservas, as compotas, os licores e vários vinhos.

 

O quadro vivo dos Açores que impressionou a corte e impressiona o mundo, a Lagoa das Sete Cidades

Lagoa das Sete Cidades
11:30 – 12:00

 sete cidades

É considerada uma das sete maravilhas naturais de Portugal e até podia ter classificação semelhante mundial. A Lagoa das Sete Cidades é uma das paisagens mais deslumbrantes que alguma vez pode ver. A ponte divide duas grandes lagoas que têm duas cores diferentes. Uma azul e a outra verde.

É nos Açores que vivem as vacas mais felizes do mundo. É impossível não se cruzar com elas durante a sua viagem

O melhor lugar para apreciar todo o esplendor desta maravilha da natureza é a Vista do Rei. Assim se chama porque o Rei D. Carlos e a Rainha D. Amélia visitaram o local e 1901 e ficaram deslumbrados.

 

Monte Palace
12:40 – 13:30

Vista do Rei, Sete Cidades
gratuito

O Monte Palace não é exatamente um monumento. Trata-se de um edifício abandonado e muito degradado. Circular no seu interior pode ser arriscado uma vez que o pavimento está cheio de destroços e há muitos acabamentos do teto que estão em fase muito avançada de degradação e podem cair. Os fossos dos elevadores também não têm proteções. É aconselhável que circule com muita precaução no seu interior e, se viajar com crianças, não é aconselhável que entre no edifício.

Com uma vista privilegiada para a Lagoa das Sete Cidades, o Monte Palace foi o primeiro hotel de cinco estrelas nos Açores, inaugurado em 1984. Com mais de 90 quartos, dois restaurantes, bares e até uma discoteca este foi uma das mais reputadas unidades hoteleiras da época.

No entanto o empreendimento tinha gastos excessivos e não recebeu hóspedes em número suficiente para pagar a dívidas. Menos de dois anos depois de ser inaugurado fechou as portas.

Até 2010 teve guardas no local, mas a partir daí ficou sem vigilância, foi vandalizado e hoje é uma grande ruína transformada em ponto turístico.

Aquele que chegou a ser um dos mais luxuosos hotéis do mundo é hoje uma ruína

O W360.PT entrou no Monte Palace. Veja o vídeo aqui:

cropped-W_MINIATURA.pngMonte Palace, o hotel abandonado dos Açores

Restaurante Lagoa Azul
14:00 – 15:00

Caridade 18, Sete Cidades
a partir de €12
 todos os dias: 7:00 às 23:00

Antes de abandonar os Açores não perca mais uma oportunidade para saborear uma das melhores gastronomias de Portugal. Sugiro o restaurante Lagoa Azul. Opte pelo buffet se fôr num dos dias em que é servido ou então despeça-se da melhor carne de vaca que alguma vez já comeu.

Para todos os voos com origem em Portugal continental existe a possibilidade de obter uma ligação para qualquer uma das restantes oito ilhas sem custos adicionais. Saiba mais aqui.

Como viajar até Ponta Delgada?

 Ryanair
a partir de €60 (ida e volta)
Reservar no Ryanair.com

A Ryanair tem dois voos diários diretos de e para Ponta Delgada a partir de Lisboa e um voo diário direto a partir do Porto.

TAP
a partir de €64 (ida e volta)
Reservar no Flytap.com

A TAP tem pelo menos dois voos diários diretos, com origem em Lisboa, para Ponta Delgada. Também pode partir do Porto ou Faro, fazendo escala em Lisboa.

Azores Airlines (SATA)
a partir de €90 (ida e volta)
Reservar no Azoresairlines.pt

A Azores Airlines (nova marca do grupo SATA) voa diretamente para Ponta Delgada a partir de Lisboa e do Porto.

Easyjet
a partir de €62 (ida e volta)
Reservar no easyjet.com

A companhia de baixo custo Easyjet voa quatro vezes por semana no percurso Lisboa – Ponta Delgada – Lisboa.

Onde dormir em Ponta Delgada?

 Hotel Alcides  .
 Rua Hintze Ribeiro 61-77
a partir de €70/pessoa (noite)
8,7 (Fabuloso no Booking.com)
Reservar no Booking.com

 Azor hotel  .
 Avenida Dr. João Bosco Mota Amaral
a partir de €162/pessoa (noite)
9,3 (soberbo no Booking.com)
Reservar no Booking.com

 Out Of The Blue
 Rua da Boavista 38
a partir de €19/pessoa (noite)
9,5 (excepcional no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Se viajar para Ponta Delgada durante um fim de semana gasta cerca de €250 por pessoa

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: claudiapaiva@w360.pt
Lugares

fotos Catherine Carvalho
geral@w360.pt
  

Viajar é percorrer lugares nas diversas multiplicações que nos proporciona. São elas os monumentos, os jardins, a arquitectura e a gastronomia. Catherine Carvalho, uma amante por espaços verdes, trouxe-nos alguns dos jardins da Europa pelos quais caminhou.

Portugal, Bélgica, Reino Unido, Alemanha e Holanda foram os países eleitos pelo olho desta jovem fotógrafa, que percorre a Europa para estar com as pessoas que ama, mas sobretudo para imortalizar as cidades nas adversidades das quatro estações.

1 Kralingse Bos, Roterdão

2 Palácio de Sanssouci em Potsdam, Berlim

3 Hyde Park, Londres

4 Brugge, Bélgica

5 Parque l`Abbaye de la Cambre, Bruxelas

6 Escola superior de artes visuais no Jardim Abbaye, Bruxelas

7 St Jean Pla de Corts, Sul de França

8 Quinta da Regaleira, Sintra

9 Bosque de Braine le Comte, Bélgica

 

 

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Lugares

claudia-paivatexto e fotos Cláudia Paiva
claudiapaiva@w360.pt

 Madrid, Espanha

Se é amante de natureza e está ou vai para Madrid, selecionamos cinco parques que não pode perder. Quatro deles são gratuitos e são o espaço ideal para passear com a família, amigos ou com quem mais ama. Com as nossas sugestões consegue juntar o descanso de uma tarde a ler um livro, tirar uma foto panorâmica da cidade de Madrid, conhecer espécies de botânica únicas ou fazer desporto. Descubra estes cinco parques e veja o que anda a perder.

Parque Juan Caros I Madrid
No Parque Juan Carlos I é possível alugar bicicletas gratuitamente
Madrid
Espanha (capital)
 Espanhol
 3 232 463 hab. (2007)
 Euro (EUR)
 GMT+1
Europeia, 2 pinos
 +34
 112
Madrid é uma cidade muito quente no verão, podendo as temperaturas ultrapassar os 35ºc. No inverno registam-se temperaturas negativas com frequência e, esporadicamente, há queda de neve.

Parque del buen Retiro

M Retiro
Plaza de la Independencia, 7
gratuito
 abril a setembro: todos os dias – 6:00 às 0:00 | outubro a março: todoso os dias – 6:00 às 22:00

aceda ao site

Este é o mais famoso de todos os jardins de Madrid. É o pulmão da cidade. Tem 125 hectares e mais de 15.000 árvores, obra que se deve ao cenógrafo italiano Cosme Lotti, em 1630.

Inicialmente tinha a função de ser um espaço de lazer da corte do Rei Filipe IV e só após a revolução de 1868 é que as portas foram abertas ao público, quando o parque passou a ser propriedade municipal. Nessa altura já tinha sido restruturado, depois de sofrer com a utilização como quartel das tropas de Napoleão.

Uma vez dentro do parque, não pode perder o Palácio de Cristal, construído em 1887,  que teve como objectivo inicial ser uma estufa de abrigo a uma exposição de plantas argentinas. Hoje é usado para apresentar exposições temporárias do Museu Rainha Sofia. Também a não perder é o monumento Alfonso XII, inaugurado em 1922 e que foi construído com a colaboração de 42 artistas, aqui pode alugar um barco e navegar pelo lago artificial com a sua cara-metade ou em família.

Parque del Buen Retiro Madrid
O Retiro é o pulmão de Madrid

 

Parque D. Carlos I

Campo de las Naciones
Glorieta Juan de Borbón, 5
gratuito
 junho a setembro: todos os dias – 7:00 às 1:00 | outubro a maio: domingo a quinta – 7:00 às 23:00 sexta e sábado – 7:00 às 0:00

aceda ao site

Se é amante de caminhadas, corridas e desporto em geral este é o parque indicado para si. Fica mais longe do centro da cidade, mas rapidamente lá chega através da linha oito do metro. Situado no Campo de las Naciones, conta com uma superfície de 160 hectares, um grande auditório, um conjunto de esculturas contemporâneas ao ar livre e um centro de actividades. Foi aberto em 1992 com a atribuição de Capital Europeia da Cultura à capital espanhola.

Aqui pode alugar uma bicicleta, fazer patinagem ou andar num comboio que o levará a conhecer todo o parque. Para isso é necessário dirigir-se ao balcão de informações e registar-se com os seus dados. Boa notícia? A entrada no parque e todas as atividades são gratuitas!

Parque Juan I Madrid
Escultura contemporânea no Parque Juan Carlos I

 

Casa de Campo

M Casa de Campo
Paseo Puerta del Angel, 1
gratuito
 todos os dias: 10:00 às 21:00

aceda ao site

A Casa de Campo é o maior parque público de Madrid, com 17,22 quilómetros. Fica no distrito de Moncloa, mesmo junto a outra zona verde que se chama Monte del Pardo.

Este é o sítio ideal para passear com a família ou fazer um piquenique na companhia dos coelhos bravos que ali habitam.

No parque é ainda possível andar no teleférico que liga a Casa do Campo ao Parque do Oeste, ao Parque de Atrações de Madrid e ao Jardim Zoológico. Se quiser usufruir de todas as atrações, vai ter que usar mais do que um dia neste parque gigantesco.

 

 

Real Jardim Botânico

Atocha
Plaza de Murillo, 2
adultos: €4 | estudantes e famílias numerosas: €2 | idosos: €0,5
 todos os dias: novembro a fevereiro – 10:00 às 18:00 | março e outubro – 10:00 às | abril e setembro: 10:00 às 20:00 | maio a agosto: 10:00 às 21:00

aceda ao site

O Real Jardim Botânico está desde 1774 mesmo ao lado do Museu do Prado. É uma referência na botânica em Espanha e abriga espécies nativas da América e pacífico, além das europeias.

O grande destaque deste jardim é a coleção de bonsais doada pelo antigo primeiro-ministro espanhol Felipe González. É uma das mais importantes coleções ibéricas autóctonas com 61 exemplares provenientes de várias partes do mundo, incluindo o Japão, onde estão os maiores especialistas do mundo nestas árvores.

Real Jardim Botânico Madrid
O Real Jardim Botânico tem uma das mais importantes coleções de Bonsais da Península Ibérica

 

Parque das Sete Colinas

Portazgo ou Buenos Aires
Calle Benjamín Palencia, 2
Gratuito
 aberto 24 horas por dia

Localizado em Las Vallecas, sul de Madrid, este parque é conhecido como Del Cerro Del Tío Pío, Parque das Sete Colinas ou ainda Parque de las Siete Tetas. O nome tem origem nas sete colinas em que o parque é formado.

É um espaço ideal para passar uma tarde com amigos ou fazer um piquenique. Aqui pode ter um panorâmica incrível da cidade a qualquer hora, uma vez que as colinas estão acessíveis 24 horas por dia. É ideal para ver o nascer ou o pôr do sol.

Parque das Sete Colinas Madrid
As panorâmicas mais incríveis de Madrid conseguem-se a partir do Parque das Sete Colinas

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: claudiapaiva@w360.pt
Viagens

ines-lopestexto, fotos e vídeos Inês Lopes
geral@w360.pt

White River, África do Sul


A primeira parte da aventura africana da Inês Lopes:

cropped-W_MINIATURA.pngKhanimanbu, Moçambique

Não posso dizer que conheci África do Sul, mas posso dizer que andei lado a lado com umas das suas partes mais cativantes – a vida animal no seu estado mais puro, o selvagem.

Estando de visita a Moçambique, o Safari a 500 km e em família torna-se uma ideia, primeiro apetecível e, daí em diante, euforicamente desassossegante! A remota possibilidade de ver leões a acasalar ou elefantes a tomar banho faz crescer borboletas na barriga. Subitamente, todos os episódios da BBC Vida Selvagem das manhãs de domingo começam a passar-me pela cabeça como um filme e as imagens da Savana, outrora tão longínquas e quase imaginárias, parecem ser cada vez menos uma miragem.

África do Sul

Mas já lá vamos, porque primeiro a paisagem muda, e há mudanças difíceis de ignorar. Ao contrário de Moçambique, este é um país extremamente organizado e aproveitado. As vedações das reservas naturais começam a aparecer de um lado, assim como as vastas plantações de banana do outro. Na fronteira não é preciso visto e as estradas em obras estão surpreendentemente bem sinalizadas. O equilíbrio entre a Natureza e a presença humana sente-se no ar e a preservação animal, que tanto derramou sangue no passado, é vivida como uma religião. Presentes quer nos desenhos da canecas do café da manhã quer nos nomes dos rios ou nos logótipos dos parques, os animais são o rosto orgulhoso de uma terra que vive com, para e deles.

A cor de pele das pessoas não muda muito, mas a língua rapidamente se torna menos familiar. White River faz lembrar uma vila rural europeia e a Hazyview uma autoestrada que só difere na orientação. Estamos deveras num país desenvolvido e embora a discrepância social e profissional entre o bouer e o africancer ainda se note claramente no dia-a-dia, o ritmo exigente de trabalho e a segurança nas condições denota que este já é um povo que se leva bastante a sério. As casas, de cimento e cor neutra característica, têm uma origem muito humilde, mas em nada transparecem desespero e embora se continuem a ver chapas (carrinha de marca Nissan de transporte público, mas de cariz privado) pela rua e crianças a percorrer quilómetros de mochilas às costas, pairam objetivos e intenções por cima das suas cabeças, de quem sabe para onde caminha e está certo que um dia vai lá chegar.

Os negócios já não são maioritariamente estrangeiros e o produto nacional faz-se bem visível e acessível por poucos Rands (moeda nacional). Nelson Mandela é naturalmente o rosto da famosa invenção de papel e, de política, o escasso tempo só me deixou reparar nos nomes holandeses e ingleses das cidades que começam a dar lugar a outros intencionalmente cada vezes mais africanos. A dissolução da tensão social, ainda incompleta, esbarra no comum e certeiro comprimento a todo o estranho que cruza o caminho, seja-se de tez clara ou escura, esteja-se na bomba de gasolina ou na piscina do hotel.

África do Sul

África do Sul

Mas vamos ao que interessa, que a melhor parte está para vir. Seja a visitar o de-perder-de-vista Kruger National Park ou o verdejante e único-no-mundo Blyde Kanyon River, o que se tem de ter sempre à mão são os binóculos e a câmara fotográfica: nunca se sabe quando vamos ver um hipopótamo ou uma girafa! Aqui, é senso comum que o conjunto dos cinco animais de grande porte mais difíceis de encontrar se apelide de the big five e, compreendendo o chifrudo búfalo, o possante rinoceronte, o perigoso hipopótamo, o solitário leopardo e o altivo leão, bem podia ser ampliado para the great ten contando que a esguia girafa, o majestoso elefante, o discreto crocodilo, o ágil babuíno e o fotogénico cudo, em nada são menos interessantes ou vistosos!

África do Sul

África do Sul

Bradados aos céus por toda a chuva que reduz o calor, enche os rios e faz crescer alimento, os meus braços saem doridos. Que todos os animais, por isso mesmo, tivemos a honrar de conhecer de perto, uns até a parcos centímetros apenas e observar todos os seus dotes mais naturais, exibidos livremente e sem timidez aparente. De barriga cheia de novos conhecimentos sobre estas sapientes e lindíssimas criaturas, ainda houve tempo para relembrar o querido Rei Leão, inesquecível filme de infância, aquando da presença de tantos Pumbas (javalis africanos), fielmente stressados e fugidios, mas sem Timóteos (suricatas) por perto, infelizmente.

África do Sul

Perante um Kanyon tão drenado e um Kruger em ferida pela seca, abandonámos esta terra, ainda à espera do verão, rezando para que as chuvas não se esquecessem daqueles animais que em tão poucas horas nos conquistaram. Sentindo-os como meus, nem que seja por momentos e esquecendo a natureza selvagem da sua essência, deixaram-me assim com vontade de voltar para matar a saudade, aparentemente prematura, bem sei, mas nem por isso menos verdadeira.

África do Sul
 Pretória (capital)
Afrikaans, Inglês e mais 9 línguas oficiais
51 770 560 (2011)
 Rand (ZAR)
 GMT+2
tipo M
+27
 10111
O clima é ameno, sendo as temperaturas mais altas atingidas nos meses de setembro a abril e as mais baixas de maio a agosto

 Não é necessário visto para entrar na África do Sul, no entanto é necessário um passaporte com validade de 30 dias a contar da data prevista de saída do país

Não há vacinas obrigatórias, no entanto aconselha-se a utilização de repelente para evitar as picadas de mosquitos que transmitem doenças como a malária
Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt