Roteiros

claudia-paivatexto e fotos Cláudia Paiva
claudiapaiva@w360.pt

vídeos Diogo Pereira

Salamanca, Espanha

Salamanca, cidade dos estudantes, das 23 igrejas, das duas catedrais, dos cinco conventos, de vários museus e da ponte romana sobre o rio Tornes. É uma cidade calma com um clima mediterrânico para se conhecer a pé num fim-de-semana.

Salamanca fica a 117 km da fronteira portuguesa de Vilar Formoso, na província de Castilla y Leon. É uma cidade organizada e a na sua arquitetura predomina a cor castanha. É também destino de milhares de estudantes que entram todos os anos na universidade em funcionamento desde 1218.

Salamanca
Espanha
Espanhol
 144.949 hab.(2016)
Euro
 GMT+1
 Europeias, 2 pinos
 +34
 112
O clima da cidade é mediterrâneo, assumindo temperaturas extremas no inverno. São comuns as geadas e temperaturas negativas, os dias são muito frios e ventosos. No verão rapidamente as temperaturas sobem para perto dos 30 graus

Dia 1

Plaza Mayor
 11:00 – 11:30

Plaza Mayor

A nossa viagem começa na Plaza Mayor, localizada mesmo no centro da cidade em estilo barroco demorou mais de 27 anos a ser construída pelo arquiteto Alberto Churriguera. A beleza da praça destaca-se pelos seus 88 arcos, sendo este lugar um dos mais carismáticos da cidade de Salamanca.

Plaza Mayor
Está muito perto de Portugal, mas não se esqueça que em Salamanca tem que adiantar o relógio uma hora.

Universidad Pontificia 
 11:40 – 13:00

Calle de John Dalton
Geral: 3€ | Grupos: 2,5€
 mar. a out.: seg. a sex. – 10h30 às 12h45 e das 17h00 às 18h30; sáb. e dom. – 10h30 às 13h30 e das 17h00 às 19h15 | nov. a fev.: seg. a sex. – 10h30 às 12h45 e das 16h00 às 17h30; sáb. e feriados – 10h30 às 13h30 e das 16h00 às 17h30; dom. – 10h30 às 13h30

aceda ao site

A menos de quinze minutos a pé vai encontrar a Universidade Pontifícia e a Igreja de Clerezia. É uma universidade privada  que recebe anualmente cerca de 6500 alunos entre o pólo da Salamanca e de Madrid.

A visita à universidade é sempre guiada, apenas tem de escolher o que prefere visitar. Uma das visitas inclui a universidade e a Torre (vai ter uma vista panorâmica da cidade) e a outra apenas lhe permite visitar a universidade (algumas das salas mais importantes e os claustros).

Cúpula da Capela da Universidad Pontifícia

Restaurante Rua Mayor
 13:15 – 14:15

Calle Rúa Mayor, 9 
A partir de €15 por pessoa
 todos os  dias: 7h00 às 2h00

A minha sugestão para almoçar fica na artéria central da cidade e é o restaurante Rua Mayor. A minha escolha da carta é óbvia, uma Paelha acompanhada de um ainda mais óbvio Tinto de Verano.

Paella, uma iguaria imperdível
Não deixe de provar Jamón Ibérico e os Pinchos, são muito típicos em Salamanca.

Torres de Clerezia 
 14:35 – 15:35


Calle Compañía, 5 
Scala Coeli:Geral: €3,75  | Grupos: €3,25 Scala Coeli + Vita Ignati: Geral: €6 | Grupos: €5
 Dezembro a Fevereiro: 10h00 às 18h00 | Março a Novembro: 10h00 às 20h00

aceda ao site

Torres de Clerezia: aqui vai ter uma das melhores vistas para a cidade. A entrada faz-se pela rua Compañía, na porta da dupla escadaria que dá acesso ao edifício da Universidade PontifíciaDepois de subir e usufruir da vista pela varanda ainda pode visitar três salas onde estão retratos da família real, uma sala com informações sobre as etapas da construção do edifício e documentação sobre  os arquitectos que o mandaram erguer.

Cúpula da Catedral velha de Salamanca

Casa das Conchas 
 15:40 – 16:10


Calle Compañía, 2
Entrada Gratuita
 segunda a sexta: 9h00 às 15h00 | sábado:  9h00 às 14h00 | Domingo: encerrado

aceda ao site

Mesmo em frente à Universidade vai encontrar a Casa das Conchas. Talvez a Casa dos Bicos portuguesa lhe venha à cabeça devido às saliências na fachada.

Este é um edifício de estilo gótico cuja construção começou em 1493. Pertencia a Don Rodrigo Maldonado de Talavera, cavaleiro da ordem de Santiago cujo escudo continha uma concha, a concha de peregrino.

Não estive a contá-las, mas segundo algumas referências o edifício contém mais de 300 conchas. Hoje funciona como biblioteca pública de Salamanca.

Casa das Conchas

Universidade de Salamanca
 16:40 – 18:00


Patio de Escuelas
Gratuito

aceda ao site

Ao descer a rua dos Liberos vai encontrar a porta da Universidade de Salamanca e vai perceber que chegou ao sítio certo quando vir uma multidão de pessoas a olhar para uma fachada como um boi a olhar para um palácio… sem ofensa, claro.

Mas porque é que esta gente está toda a olhar para uma parede? Diz a lenda que quem encontrar o sapo que se encontra na fachada, terá boa sorte para o resto da vida e um casamento feliz. Mas atenção, não pode pedir ajuda para localizar o batráquio.

Depois de longos minutos a tentar encontrar o sapo, lá fiz batota… olhei para a senhora que estava ali em frente a vender souvenirs e os postais que ela tinha na banca ajudaram e muito…

Fachada da Universidade de Salamanca

Casa Paca
 20:00 – 22:00


Plaza Peso, 10
a partir de €18 por pessoa
 todos os dias: 13h00 às 16h00 e das 20h30 às 0h00

aceda ao site

Para jantar a minha sugestão é a Casa Paca, um restaurante de cozinha tradicional. Aberto há 12 anos, a especialidade são os assados e as carnes e têm das cartas de vinhos mais completas de Salamanca.

No final da noite aproveite para dar um passeio noturno pelo centro da cidade e apreciar os edifícios iluminados. Se preferir um bar, existem várias zonas como a Gran Vía, a rua Bordadores ou a Praça de la Reina.

É muito comum os espanhóis comerem Pinchos num bar enquanto bebem Tinto de Verano ou cerveja. Os bares mais populares de pinchos estão localizados perto da Plaza Mayor e na Calle Van Dyck, passe por lá!

Dia 2

Museu de Art Nouveau Art Decó 
 11:00 – 12:00

Calle Gibraltar,14
crianças: gratuito | adultos: €4 | estudantes: €2 | desempregados: €1
 abr. a out.: terça a domingo – 11h00 às 20h00 | nov. a dez.: terça a sexta – 11h00 às 14h00 e das 16h00 às 19h00 | sábado e domingo 11h00 às 20h00

 Fechado às segundas-feiras, excepto às segundas-feiras de agosto e feriados.

aceda ao site

Comece o segundo dia em Salamanca a visitar o Museu de Art Nouveau Art Decó, situado num antigo palacete do séc. XIX, construído pelo arquitecto D. Javier Gómez Fiesco e D. Francisco Morón, sendo os vidros do edifício da autoria de D. Juan Villaplana.

Museu de Art Nouveau Art Decó

O museu tem 19 colecções permanentes de artes decorativas do final do séc. XIX e princípios do séc. XX. Também pode encontrar aqui uma das maiores colecções de bonecas de porcelana, contendo mais de 300 peças de diferentes companhias de renome.

Rio Tormes
 12:15 – 12:35

Calle de Teso de la Feria

Mesmo em frente ao museu vai encontrar a Ponte Romana construída no séc. III sobre o Rio Tormes, o maior afluente do Rio Douro. Consegue, a partir da ponte, ter uma vista única para a Catedral de Salamanca

Ponte Romana sobre o Rio Tormes

 

 Convento de San Esteban
 12:35 – 13:15

Plaza del Concilio de Trento
adultos: €3,5 | grupos, estudantes e reformados: €2,5
inverno: seg. a sáb. – 10h00 às 14h00 e das 16h00 às 18h00 | verão: seg. a sáb. – 10h00 às 14h00 e das 16h00 às 20h00 | domingos e feriados: 10h00 às 14h00 | segunda: encerrado
De 1 de Maio a 15 de Outubro há visitas guiadas às sextas (17h00) e sábados (12h00 e 17h00)

aceda ao site

A dez minutos de distância temos o Convento de San Esteban, Igreja Dominicana, um dos mais importantes exemplares da arquitetura plateresca espanhola.

Frey Francisco de Vitoria em frente ao Convento de San Esteban

Foi aqui que Cristovão Colombo procurou o apoio dos Reis Católicos para a sua odisseia marítima de colonização da América.

Mesmo ao lado encontra-se o Convento das Dueñas que contempla um belíssimo claustro.

Salamanca é uma cidade perfeita para andar de bicicleta. Dispõe de uma ciclovia que liga o parque fluvial, o campus universitário e alguns bairros da cidade. Veja mais informações no site para alugar a sua bicicleta
 aceda ao site

La Hoja 21
 13:30 – 14:35

Calle San Pablo, 21
a partir de €15 por pessoa
 terça a sábado: 13h30 às 16h00 e das 20h30 às 23:30 | domingo: 13:30 às 16:00 | segunda: encerrado

aceda ao site

A minha sugestão para o almoço é o La Hoja 21 com menus a preços acessíveis aos dias de semana. Neste espaço consegue usufruir de um almoço num ambiente calmo, requintado e com uma selecção de pratos para todos os gostos

 

Huerto de Calixto y Melibea
 15:00 – 16:00


Calle Arcediano, 20
Gratuito
 todos os dias 8h30 às 22h30

Depois de almoço dê um passeio pelo Huerto de Calixto y Melibea, um pequeno jardim romântico de tradição muçulmana que foi construído sobre a antiga muralha.

Este jardim foi o cenário dos encontros amorosos entre Calixto e Melibea, protagonista na “La Celestina”, uma das obras mais conhecidas na história da literatura espanhola, escrito por Fernando de Rojas no século XV.

Catedral de Salamanca
 16:30 – 18:00

Calle Cardenal Pla y Deniel
crianças: €3 | adultos: €4,75 | grupos, reformados e estudantes: €4 | desempregados: €1,5
 abr. a set.: todos os dias – 10h00 às 20h00| out. a mar. – 10h00 às 18:00

aceda ao site

Para terminar o seu dia, não deixe de visitar a Catedral de Salamanca. A Catedral nova foi construída ao lado da catedral velha e a sua construção começou no séc. XVI. Ao contrário do que era hábito nesta época, Salamanca não viu ser destruída a sua antiga catedral para construção da nova, ambas se mantiveram lado a lado.

Catedral de Salamanca vista a partir da Ponte Romana

A ideia de construir uma catedral nova surge devido ao aumento populacional, em parte relacionado com a vinda dos estudantes para a universidade.

Um templo de elementos góticos e barrocos, que só fora terminado no século XVIII e que também sofreu com as consequências do terramoto de Lisboa, em 1755. A cúpula teve de ser reconstruída e foi reforçada a torre-campanário.

Interior imponente da Catedral de Salamanca

A igreja impressiona pela sua ornamentação, a grande amplitude interior e luminosidade. Pode ainda observar o orgão barroco, construído por Pedro de Echevarria, um dos principais construtores deste instrumento na história espanhola.

Órgão de tubos na Catedral de Salamanca

No final da visita vai conseguir ver a catedral velha, construída no século XII e XIII em estilo romântico.

A partir das 17h a visita à Catedral é gratuita

Como chegar a Salamanca?

A forma mais fácil e rápida de chegar a Salamanda é de carro. Se estiver no norte ou centro do país, a fronteira de Vilar Formoso é a mais recomendavel para entrar em Espanha. A partir daqui estará a cerca de uma hora da cidade. Se estiver no sul do país o melhor será atravessar o Guadiana. Também pode optar por usar o comboio, mas aqui tem um inconveniente: vai chegar à cidade per volta das cinco da manhã, mas os bilhetes são bastante acessíveis quando comprados com antecedência. Há ainda várias empresas de autocarros que ligam várias cidades portuguesas à cidade espanhola dos estudantes.

Onde dormir em Salamanca?

 NH Salamanca Palacio del Castellanos  .
 San Pablo, 58-64, Salamanca
a partir de €78/pessoa (noite)
8,6(Fabuloso no Booking.com)
Reservar no Booking.com

 Hospes Palacio de San Esteban .
 Arroyo de Santo Domingo,3
a partir de €81/pessoa (noite)
9,1(soberbo no Booking.com)
Reservar no Booking.com

 Salamanca Suite Studios .
 Plaza De La Libertad, 4
a partir de €39/pessoa (noite)
9,6 (Excepcional no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Se viajar para Salamanca durante um fim de semana gasta cerca de €150 por pessoa

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: claudiapaiva@w360.pt
Viagens

texto e fotos Ana Rita Pinto
geral@w360.pt

Ljubljana, Eslovénia

Não acreditaria se há um ano me dissessem que por esta altura estaria a regressar de uma experiência inesquecível, estudar em Ljubljana, Eslovénia, durante um semestre. O programa Erasmus é sem dúvida uma das maravilhas criadas pela União Europeia, mais do que o estereótipo de um semestre (ou um ano) fora de casa a aproveitar todas as festas, embarcar nesta viagem é sem dúvida uma experiência que vai para lá da académica. Vir para Ljubljana não só me deu a oportunidade de conhecer pessoas de toda a Europa mas também a oportunidade de conhecer sítios que nunca pensei conhecer e claro a oportunidade de me conhecer fora do meu ambiente.

A Eslovénia é um pequeno país (cerca de 2 milhões de habitantes) situado na Europa Central. Pouco se houve falar dela, mas na verdade é um segredo bem escondido da Europa. Um país com pouco mais de 25 anos (conseguiu independência da antiga Jugoslávia em 1991), considerado pela National Geographic como o destino mais sustentável. Alberga nele as mais indescritíveis paisagens, desde os lagos, à imensa área florestal, das montanhas até à sua pequena costa.

Em 5 meses tive a oportunidade de explorar a Eslovénia e não só, o facto de estar numa localização privilegiada permitiu com que viajasse até Itália, Croácia, Hungria, Sérvia, Bósnia e Montenegro e conhecesse sítios indescritíveis.

Sítios a não perder na Eslovénia:

Ljubljana, a capital

Ljubljana significa “a amada”. Ljubljana não é a típica capital Europeia. Atravessada pelo rio Ljubljanica, Ljubljana tem cerca de 280 mil habitantes. Pode não ser recheada de monumentos e pontos de interesse, mas o charme desta cidade está nisso mesmo, ser um sítio agradável onde a circulação de bicicleta e de peões é privilegiada em detrimento dos carros e onde os habitantes cuidam e prezam a cidade onde vivem. Apesar de no Inverno ser um pouco mais frio do que estamos habituados, no começo da Primavera as esplanadas junto ao rio enchem-se de gente e é bastante comum passar uma tarde a aproveitar o sol no Parque Tivoli. Existem alguns sítios preferidos, mas os seguintes merecem um especial destaque.

Vista da cidade para o castelo de Ljubljana

Castelo de Ljubljana, excelente para ter uma visão completa da cidade com as montanhas como pano de fundo. Excelente para apreciar o pôr-do-sol sobre Ljubljana.

Castelo de Ljubljana

A Metelkova é talvez dos sítios mais peculiares onde tive oportunidade de estar. Se em 1993 funcionavam aqui os quartéis do exército jugoslavo, depois da desocupação Metelkova, tornou-se num espaço alternativo onde se encontram galerias de arte, bares, discotecas e locais de concertos de diversos estilos. Às sextas e sábados à noite a Metelkova ganha uma nova vida uma vez que se torna num ponto de encontro.

Tivoli. Como já referido, é o parque da cidade. Uma área verde gigantesca onde é comum passar a tarde com os amigos ou com a família, passear o cão ou apenas fazer desporto. Um sítio bastante agradável a poucos minutos do centro.

Presernov Trg e Tromostovje, as joias de Ljubljana. Prešernov Trg é o ponto de encontro da cidade, a praça central onde as ruas principais vão dar e onde podemos encontrar a Pink Church a estátua de Prešeren com a sua musa, o maior poeta esloveno de todos os tempos. Nesta praça encontramos ainda Tromostovje, um conjunto de três pontes pedonais que ligam as margens do rio e arquitetadas pelo famoso Jože Plečnik.

Tromostovje, Presernov Trg, Igreja Franciscana (“Pink Church”)

Lagos Bled e Bohinj. Talvez os lagos mais conhecidos de toda a Eslovénia, o lago Bled situa-se a aproximadamente 45 minutos de Ljubljana e é sem dúvida um sítio a não perder. Se no Inverno há possibilidade de congelar, durante o resto do ano é possível andar de barco e chegar até à pequena ilha no meio do lago onde existe uma igreja com 99 degraus que, diz-se traz sorte a um casamento se o noivo subir a escadaria em a noiva ao colo. O lago Bohinj é menos turístico que o lago Bled, mas igualmente espetacular. Perto destes dois lagos situam-se as Cascatas de Savica e Vintgar Gorge.

Lago Bled
Lajo Bohinj

Postojna e Predjama Postojna é o sistema de grutas mais longo da Eslovénia, um local repleto de turistas durante os fins de semana, mas onde há oportunidade de conhecer uma espécie animal característica destes ambientes, o Human Fish. Perto de Postojna, está o Castelo de Predjama. Um castelo com cerca de 800 anos que foi construído numa rocha.

Castelo de Predjama

Costa do Mar Adriático

A Eslovénia conta com pouco mais de 40 km de costa, mas não é por isso que deixa de ser um ponto de interesse. Destaco Koper, Izola e Piran. Pequenas cidades à beira mar onde há oportunidade de apreciar uma Eslovénia diferente da que estamos habituados, uma vez que se situam bastante perto da fronteira com Itália, o que teve bastante impacto na arquitectura destes locais. Apesar de não haver praias com areal como as que existem em Portugal é possível apanhar sol e ir a banhos em águas límpidas, calmas e com uma temperatura bastante agradável.

Piran

Passaram 5 meses a correr e não poderia estar mais grata por ter tido esta experiência num país ainda desconhecido para a maior parte de nós. Aconselho vivamente a Eslovénia quer seja como um local de visita ou como uma escolha para estudar. Apesar de ser um país pequeno, a Eslovénia é sem dúvida uma país extraordinário, preocupado em preservar os seus recursos e em dar aos seus habitantes uma excelente qualidade de vida como pude observar ao longo destes meses. Ter uma experiência Erasmus é sem dúvida uma experiência para a vida. Para todos os que pensam embarcar nesta viagem, não se detenham por medos e preocupações iniciais, ter a oportunidade de viver num país e numa cidade que não conhecemos faz-nos crescer imenso e sem dúvida que nos mostra perspectivas que seriam impossíveis de encontrar se não sairmos da nossa zona de conforto.

Deixo apenas uma conselho, não deixem nada que vos detenha de viver uma experiência incrível como esta porque no final de contas life is not meant to be lived in one place.

Ljubljana
Eslovénia (capital)
Esloveno
272 220 hab. (2011)
Euro (EUR)
GMT+1
 Europeia, 2 pinos
+386
112
Ljubljana é uma cidade de clima temperado, no entanto bastante chuvoso. Nos meses de novembro a março as temperaturas são mais baixas, podendo atingir valor negativos. Nos meses de abril a setembro o clima é mais ameno, não superando os 30ºC. Este é o melhor período para visitar a cidade.
Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Notícias

Diogo Pereiratexto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Bssmadeit/Pixabay

As taxas aplicadas à utilização de roaming chegam ao fim em 28 estados da União Europeia a partir de 15 de junho de 2017 

15 de Junho de 2017. Esta é a data em que o roaming chega ao fim. O serviço era cobrado a todos os utilizadores de telecomunicações móveis, sendo agora possível comunicar aos preços do país de origem.

Passaram mais de dez anos desde que os europeus começaram a ouvir falar do fim do roaming. Em fevereiro de 2017 chegou a notícia: as tarifas especiais para comunicar no estrangeiro iriam desaparecer em junho.

O roaming é uma taxa que os operadores de telecomunicações aplicam aos seus clientes quando estes utilizam os serviços – quer sejam telefonemas, SMS, MMS ou dados – no estrangeiro. Esta taxa existe porque as empresas de telecomunicações cobram taxas entre si pela utilização da rede. Ou seja, quando um cliente de uma operadora portuguesa usa o telemóvel noutro país, a operadora portuguesa é obrigada a pagar uma taxa à operadora do país em causa, para que o seu cliente possa continuar a usar o telemóvel.

Para que seja possível isentar os consumidores finais das taxas de roaming foi preciso mudar muita coisa nas taxas que os operadores cobram uns aos outros. Na realidade elas não desapareceram, mas diminuíram substancialmente. Por exemplo, uma chamada de voz que até aqui tinha uma taxa de €0,05 por minutos, passa a ser taxada em €0,032 por minuto.

A medida não é consensual junto das operadoras que continuam a ter que pagar taxas, mas deixam de as poder transferir para os consumidores. Em casos como Portugal, que recebe mais turistas do que “envia” para outros países, as operadoras são claramente prejudicadas uma vez que continuam a ter que prestar os serviços, mas agora com custos substancialmente superiores.

No que diz respeito aos clientes, o roaming chega mesmo ao fim, sem precisarem de fazer nada. A partir de agora o preço de uma chamada, SMS ou MMS é o mesmo quer esteja a usar o serviço dentro ou fora do país. No entanto é recomendável verificar o tarifário para perceber quais os valores em causa. É preciso ter ainda atenção que para evitar comportamentos abusivos as operadoras podem estabelecer limites à utilização deste serviço.

A utilização de internet no telemovel está sujeita a uma progressiva redução que levará o valor pré-roaming de €50 para os €7,7 a partir de 15 de junho, baixando a 1 de janeiro de 2018 para os €6, €4,5 em 2019, €3,5 euros em 2020, €3 em 2021 e €2,5 em 2022.

As novas regras são válidas para estes 28 estados da União Europeia: Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, Eslovénia, Eslováquia, Espanha, Suécia e Reino Unido.

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Discurso Direto

You are reading the portuguese version of this article.
Go to the ENGLISH VERSION
Está a ler a versão em português deste artigo

texto e fotos Gil Cancela
geral@w360.pt
  

Sacueni, Roménia

Sendo eu uma pessoa que sempre se preocupou ativamente com Direitos Humanos e sociais, surgiu em conversa, a oportunidade de participar numa nova aventura. A aventura de um intercâmbio do programa Erasmus +, em parceria portuguesa com a AKTO – Direitos e Democracia, de uma semana na pequena cidade de Sacueni, na Roménia, muito perto da fronteira com a Hungria. Quem me conhece sabe que não costumo sair da minha zona de conforto. Mas, desta vez, as estrelas alinharam-se a meu favor e resolvi arriscar.

Tanta gente boa!

Intitulado NEETs for Children in Need, este Youth Exchange englobava participantes de Portugal, Roménia, Grécia, Hungria e Lituânia e visava ajudar as crianças do orfanato de Sacueni, oferecendo ajuda prática e fazendo jogos didáticos e divertidos com as crianças. Ao mesmo tempo, promovia a interculturalidade entre os países participantes através de atividade de educação formal (apresentações) e não-formal (teatro do oprimido, world café, noites culturais).

O juri grego em ação, pronto a comer: Elpida, Yannis, maria, Dimitris e Corina
Noite de apresentação: Frauzina (Roménia), Rui, João, Paula e eu (Portugal)

Foi preciso uma estafante viagem de autocarro, seguida de uma longa viagem de avião, para chegarmos a Budapeste, onde nos aguardava a carrinha que nos levaria até Sacueni. Cansados, estourados, mas entusiasmados para uma aventura de uma semana que estava a começar. Começamos com as atividades de grupo, que permitiram que passássemos de vários grupos para uma comunidade. E, ao terceiro dia, o foco da nossa ida chega. Conhecermos as crianças. De um modo geral, receberam-nos de braços e coração aberto, como se acompanhássemos o seu crescimento desde há muito tempo. Desde o nosso primeiro dia, que aqueles miúdos, que passaram por tanto, na sua (ainda) curta vida, tanto que alguns de nós nem podemos (ou queremos) sequer imaginar, nos permitiram ser crianças com eles. Sempre com um sorriso na cara. Sempre com vontade de nos ter lá.

Primeiro dia com as crianças
Eu, Paula (Portugal), Maria (Grécia) e Orsi
World Café Rui (Portugal), María (Roménia), Dimitris e Maria (Grécia)
Grandes noites com grande gente: Corina, eu, María, Yannis, Elpida, Nida e Inês

Em grupos, ajudamos em algumas tarefas necessárias no orfanato, como pintar janelas ou arrumar o anexo, repletos de material que seria reciclado ou reutilizado para momentos de trabalhos manuais com as crianças. Mas, ao mesmo tempo, podemos divertir-nos com os pequenos, com quem jogamos futebol, assamos marshmallows, corremos, etc.

Sacueni, em si, é pequena, mas bonita, equivalendo, à primeira vista, a uma vila em Portugal. Muito religiosa. Em qualquer ponto em que olhamos, encontramos uma igreja ou edifício ligado à Igreja.

Explorando a cidade
Portugal em Ordea

O grupo de participantes também foi um dos principais fatores para o sucesso desta experiência. Pessoas que primavam pelo seu caráter e boa disposição, que partilhavam a mesma vontade de ajudar e ter (ou repetir) uma grande experiência. E de lá, saíram inúmeras histórias para contar e pessoas que espero levar para a vida. Obrigado a todos!

Obrigado também à Orsi, por ser sempre incansável. O teu otimismo e boa disposição contagiou-nos a todos!

Na viagem de regresso, sentíamo-nos cansados, mas com o coração cheio, e muitas histórias e peripécias para contar. Sem dúvida, uma experiência a repetir, mas que, ao mesmo tempo, deixa um frio no estômago, se qualquer nova experiência, não ficará aquém deste fantástico Youth Exchange.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: geral@w360.pt
Roteiros

claudia-paivatexto e fotos Cláudia Paiva
claudiapaiva@w360.pt

Madrid, Espanha

Capital de Espanha, Madrid é uma cidade cosmopolita, cheia de vida, edifícios imponentes e ruas iluminadas. Um paraíso para quem gosta de ir às compras, de frequentar parques e museus. Nesta visita não pode deixar de saborear uma boa paella ou beber um tinto de verano, usufruir de um espetáculo de flamengo ou de uma vista a partir de um rooftopO metro é o meio de transporte mais rápido e confortável para se deslocar em Madrid no fim-de-semana que preparei para si.

Madrid
Espanha (capital)
Espanhol
3 232 463 hab. (2007)
Euro (EUR)
GMT+1
 Europeia, 2 pinos
+34
112
Madrid é uma cidade muito quente no verão, podendo as temperaturas ultrapassar os 35ºc. No inverno registam-se temperaturas negativas com frequência e, esporadicamente, há queda de neve.

Dia 1

 

Puerta del Sol
 09:00 – 09:35

Sol
 Puerta del Sol

Comece esta viagem pela Puerta del Sol, uma das praças mais famosas da cidade. Um dos pontos mais icónicos desta praça é o Quilómetro Zero, que está ali marcado desde 1950. É o ponto de partida para as seis estradas nacionais espanholas.  Vai ser difícil encontra-lo à primeira, mas siga em direcção ao edifício dos Correios, edifício esse que no topo tem um relógio que anualmente faz a contagem decrescente para a entrada do ano novo, construído no séc. XIX. Na praça também não pode deixar de tirar uma foto junto ao Oso y el Madroño (Urso e Medronheiro) que são os símbolos da cidade.

Quilómetro Zero, Puerta del Sol, Madrid
Quilómetro Zero, Puerta del Sol
Oso y el Madroño, símbolo da cidade de Madrid
Oso y el Madroño, símbolo da cidade de Madrid

Teatro Real
 10:00 – 11:00

M Ópera
Plaza de Isabel II, s/n
menores de seis anos: gratuito | jovens e idosos: €6 | adultos: €8
 todos os dias: 9:30 às 13:00

aceda ao site

Passe pelo Teatro Real, a maior casa de ópera da cidade e faça uma visita guiada. Fique atento a esta obra de arquitectura que demorou 32 anos a ser planeada e a ser construída, se tiver oportunidade assista a um espectáculo.

_DSC0176

Se fôr passar a Passagem de Ano a Madrid, escolha a Porta do Sol para entrar no novo ano, uma vez que é nesta praça que está um dos relógios mais pontuais do mundo.

Palácio Real 
 11:15 – 13:00

M Ópera
Plaza de Oriente
 jovens, estudantes até 25 anos e idosos: €6 | adultos: €11
 outubro a março: todos os dias – 10:00 às 18:00 | abril a setembro: todos os dias –  10:00 às 20:00

Há dias em que o Palácio Real está encerrado devido aos feriados espanhóis. Em determinadas datas também é possível que a visita tenha um horário reduzido e só se faça parcialmente. Consulte o site.

aceda ao site

O Palácio Real foi residência oficial dos Reis de Espanha no século XVIII. Mandado construir por Felipe V tem uma fantástica colecção de obras de arte de Goya, Velázquez e Caravaggio. 

Neste que é um dos maiores palácios da europa, vai ser possível visitar algumas das mais exuberantes salas do Palácio Real. Destaco a sala do trono onde o rei ainda recebe as suas visitas oficiais, a sala das porcelanas, sala dos espelhos e, claro, o salão real e a sala onde está a incrível colecção de stradivarius. Em todas elas vai admirar a riqueza dos estuques, da decoração e mobiliário. Aproveite também para conhecer a Catedral de la Almudena, os Jardins do Campo Mouro e os Jardins Sabatini que ficam mesmo ao lado do Palácio.

Palácio Real, Madrid
Palácio Real
Todas as primeiras quartas-feiras de cada mês, ao meio dia, acontece a troca de guardas no pátio de entrada do Palácio Real, se a sua visita coincidir com estes dias, não deixe de marcar presença.

Plaza Mayor
 13:15 – 13:30

La Latina
 Plaza Mayor

Vai saber que chegou à Plaza Mayor quando entrar numa praça rectangular, com 9 entradas e a tonalidade bordô for uma constante. Se já esteve em Salamanca vai ficar confuso… Esta praça é palco de muitos concertos, espetáculos e jogos ao longo de todo o ano.

Plaza Mayor, Madrid
Plaza Mayor

 

Evite visitar Madrid no mês de Agosto. É muito, muito, muito quente!

Mercado de San Miguel 
 13:35 – 14:30

La Latina
Plaza de San Miguel
 a partir de €15
segunda a quarta e domingo: 10:00 às 00:00 | quinta a sábado: 10:00 às 2:00

aceda ao site

Bem perto da Plaza Mayor recomendo que prove as famosas tapas espanholas no Mercado de San Miguel. O conceito assenta nos diferentes restaurantes por onde pode ir passando e provando os mais diferentes pratos. Vai ser difícil ter um sítio para se sentar, mas vai valer a pena, sugiro que prove os pimentos de padron e queso tetilla. 

Mercado de San Miguel, Madrid
Mercado de San Miguel
Iguarias do Mercado de San Miguel, Madrid
Iguarias do Mercado de San Miguel

Museu Reina Sofia
 15:00 – 16:30

Atocha
Calle de Santa Isabel, 52
jovens, estudantes até 25 anos e idosos: gratuito | adultos: €8 (coleção fixa e exposições temporárias)
quarta a sábado e segunda: 10:00 às 21:00 | domingo: 10:00 às 19:00 | terça: encerrado

Aos domingos à tarde a entrada é gratuita, mas só há acesso a uma pequena parte do museu. Para ver a coleção completa deve optar pelos outros horários.

Quando compradas online, as entradas são mais baratas. Compre aqui!

aceda ao site

À tarde dedique-se aos museus. O Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, aberto ao público desde 1990, tem uma importante colecção de arte espanhola e internacional que vai desde os finais do séc. XIX até à atualidade. Não pode perder o quadro Guernica de Pablo Picasso.

Museu Reina Sofia, Madrid
Museu Reina Sofia

Estação de Atocha
 16:40 – 17:10

Atocha
Plaza Emperador Carlos V

Monumento de homenagem às vítimas do atentado terrorista de 11 de março de 2004

gratuito
terça a domingo: 11:00 às 14:00 e 17:00 às 19:00 | segunda: encerrado

A Estación de Atocha foi a primeira estação central ferroviária de Madrid. Aqui estão concentradas a maior parte das ligações entre cidades espanholas e estrangeiras, sendo até hoje a estação mais utilizada pelos madrilenos. Há um incrível jardim interior, quase exótico que o vai deixar surpreendido. Não perca ainda o espaço criado em homenagem às 191 vítimas do atentado terrorista do 11 de Março de 2004.

Monumento de homenagem às vítimas do atentado terrorista de 11 de março de 2004
Monumento de homenagem às vítimas do atentado terrorista de 11 de março de 2004
Madrid a partir do Miradouro do Palácio de Cibeles
Fonte de Cibeles

Museu do Prado
 17:30 – 19:40

M Atocha
Paseo del Prado
jovens e estudantes até 25 anos: gratuito | idosos: €7,50 | adultos: €15
segunda a sábado: 10:00 às 20:00 | domingos e feriados: 10:00 às 19:00

O museu encerra nos dias 1 de janeiro, 1 de maio e 25 de dezembro e tem um horário reduzido no dia 6 de janeiro e nos dias 24 e 31 de dezembro.

Há possibilidade de entrar gratuitamente no museu todos os dias entre as 18:00 e as 20:00 (aos domingos e feriados o horário gratuito é entre as 17:00 e as 19:00). Se optar por estes horário prepare-se para as longas filas de espera.

aceda ao site

O Museo Nacional del Prado, inaugurado em 1819 pelo rei  Fernando VII,  possui uma vastíssima colecção de arte sobre a história de Espanha, do século XII ao século XX. Não deixe de ver as obras primas de pintura europeia, como o quadro Las Meninas, de Diego Velásquez; A Descida da Cruz, de Van der Weyden; O Jardim das Delícias, de Bosch, e David vencendo Golias, de Caravaggio… Um verdadeiro regozijo!

Las Meninas de Diego Velásquez, no Museu do Prado
Las Meninas de Diego Velásquez, no Museu do Prado

Dia 2

 

Círculo de Belas Artes
 09:00 – 10:00

M Sevilha ou Banco de Espanha
Calle de Alcalá, 13
 €5
 segunda a sexta: 9:00 às 21:00 | sábados, domingos e feriados: 11:00 às 21:00

aceda ao site

O Círculo de Bellas Artes é um centro Cultural que se dedica em exclusivo às artes, tendo uma programação regular de exposições. No topo do edifício vai encontrar o terraço onde funciona um bar/lounge que tem das melhores vistas para o Palacio de Cibeles e para a Calle de Alcalá. Se estiver cansado este espaço é ideal para usufruir  da vista, de um bom tinto de verano e relaxar um pouco.

Vista de Madrid a partir do Círculo de Bellas Artes
Vista de Madrid a partir do Círculo de Bellas Artes

Caso seja domingo aproveite para ir à Feira do Rastro que é uma espécie de Feira da Ladra. Começa ás 9h e acaba às 15h. É a maior feira de Madrid, com mais de 400 anos de história, foi declarada Património Cultural do Povo da capital espanhola, em 2000. Aqui pode encontrar de tudo e cada rua é especializada num determinado tipo de produtos: artesanato, roupa em segunda mão, flores, mobílias vintage, velharias ou acessórios.

Palácio de Cibeles e Fonte de Cibeles
 10:15 – 11:15

M Banco de Espanha
Plaza Cibeles, 1
Gratuito
 quarta a domingo: 10:00 às 20:00 | segunda e terça: encerrado

A sua construção teve como objectivo ser a sede dos correios e telégrafos e, por isso, foi designado de “Palácio das Comunicações”. Ao longo dos anos tornou-se insustentável manter um edifício daquela dimensão, uma vez que a afluência aos correios  veio a diminuir substancialmente. Hoje é chamado de Palacio de Cibeles e é um espaço cultural onde pode entrar livremente para estudar, ler um livro, ver uma exposição, subir até ao Miradouro ou apenas recolher informações das actividades culturais da cidade. Está situado mesmo em frente à Fonte de Cibeles onde o maior clube de futebol da cidade festeja os seus triunfos.

Palacio de Cibeles, Madrid
Palacio de Cibeles

Puerta de Alcalá
 11:30 – 11:40

M Retiro
Plaza de la Independencia

Ao sair do Palacio de Cibeles, a poucos metros vai encontrar um marco da cidade: a Puerta de Alcalá, mandada construir pelo rei D. Carlos III, para servir como porta de entrada  da cidade. Ficou imortalizada na canção La puerta de Alcalá, interpretada pelos cantores Ana Belén e Víctor Manuel. Tente canta-la para aperfeiçoar o seu espanhol.

Edifício Metropolis, Madrid
Edifício Metropolis

Parque del Retiro
 12:00 – 13:00

M Retiro
Plaza de la Independencia, 7
entrada gratuita
 abril a setembro: 6:00 às 0:00 | outubro a março: 6:00 às 22:00

Parque del Retiro: a regra aqui é perder-se! Todos os recantos são dignos de contemplação. Mas não pode sair sem visitar o Palácio de Cristal o Palácio de Velázquez, a Fonte do Anjo Caído e o Monumento Alfonso XII

Parque del Retiro, Madrid
Parque del Retiro

100 Montaditos
 13:00 – 14:00

M Banco de Espanha
Plaza de las Cortes, 3
 a partir de €7

 veja a carta

É uma das mais famosas cadeias de tapas em toda a Espanha. Com preços muito em conta e com um pão de comer e chorar por mais, tente provar o maior número de Montaditos. 

Estación de Atocha, Madrid
Estación de Atocha

 Museu Thyssen-Bornemisza
 14:30 – 15:30

M Banco de Espanha
Paseo del Prado, 8
crianças: entrada gratuita | estudantes e idosos: €8 | adultos: €12
segunda: 10:00 às 16:00 | terça a domingo: 10:00 às 19:00

aceda ao site

O Museu Thyssen- Bornemisza contém uma colecção particular da família Thyssen-Bornemiszam e encontra-se no atual Palacio de Villahermosa. Entre as obras destacam-se os trabalhos de Rubens, Picasso, Van Gogh, Caravaggio, Van Eyck e Constable.

Metro de Madrid
Metro de Madrid

Gran Vía
 16:00 – 17:30

M Gran Vía
Gran Vía

A Gran Via é a mais famosa avenida de Madrid. Liga a não menos conhecida Calle de Alcalá à Praça de Espanha. Ao longo de toda a rua vai encontrar inúmeras lojas, restaurantes, teatros e cinemas. É, ao mesmo tempo, a Broadway e a Quinta Avenida de Madrid.

Gran Via, Madrid
Gran Via

Templo de Debod
 18:00 – 18:45

M Príncipe Pío ou Plaza de España
Calle Ferraz, 1
gratuito
outubro a março: ter. a sex. – 10:00 às 14:00 e 16:00 às 18:00 | abril a setembro: ter. a sex. – 10:00 às 14:00 16:00 às 18:20 | sáb. dom. e feriado: 9:30 às 20:00 | segunda: encerrado

Templo de Debod  foi construído no século II a.C em homenagem aos deuses Isis e Amon. Depois de estar muitos anos ao abandono foi doado pelos egípcios à cidade de Madrid, como forma de agradecimento pela ajuda na recuperação do templo”Abu Simbel”. Cada uma das pedras  foi transportada – uma a uma – no século VI para a praça de Espanha, perto do parque da montanha. Foi aberto ao público em 1972. Atualmente é possível visitar o interior do templo, onde estão preservadas, nas paredes, cenas de representação dos deuses do Egipto daquela época.

Templo de Debod, Madrid
Templo de Debod

O Templo de Debod é o sítio ideal para quem gosta de ver pôr-de sol.

San Ginés
 19:00 – 19:30

M Sol
Pasadizo de San Gines, 5
 a partir de €3
aberto 24 horas por dia

aceda ao site

Quem vem a Madrid não pode sair sem provar os Churros com Chocolate da San Ginés que está localizada a poucos metros da Puerta del Sol e é das mais antigas chocolaterias de Madrid, criada em 1894. É um espaço que apesar de pequeno para tantas pessoas que o frequentam, consegue ser sempre acolhedor e ter um bom atendimento.

Chocolateria San Ginés, Madrid
Chocolateria San Ginés

Como viajar até Madrid?

renfe logo

 CP + Renfe
a partir de €52,8 (ida e volta)
Reservar no renfe.com

A CP e a Renfe estabeleceram uma parceria que possibilita uma viagem diária de comboio no percurso Lisboa – Madrid – Lisboa. A viagem é feita durante a noite e não há limite de bagagem, no entanto demora quase dez horas.

TAP Portugal
a partir de €77 (ida e volta)
Reservar no flytap.com

A TAP voa diretamente para Madrid com vários voos diários a partir de Lisboa e Porto.

 Easy Jet
a partir de €53 (ida e volta)
Reservar no easyjet.com

lowcost Easy Jet voa diretamente para Madrid a partir de Lisboa com pelo menos um voo diário.

 Ryanair
a partir de €40 (ida e volta)
Reservar no ryanair.com

lowcost Ryanair tem o preço de partida mais baixo para o trajeto Porto – Madrid – Porto e oferece dois voos diários (um de manhã e outro à noite).

Onde dormir em Madrid?

Catalonia Las Cortes

 Catalonia Las Cortes .
M Antón Martín
António Augusto Gonçalves
a partir de €135/pessoa (noite)
8,2 (ótimo no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Only YOU Hotel Atocha

 Only You Hotel Atocha .
M Atocha
Paseo de la Infanta Isabel, 13
a partir de €60/pessoa (noite)
9,5 (excecional no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Hostel The Hat Madrid

 Hostel The Hat Madrid
M La Latina ou Sol
 Calle Imperial, 9
a partir de €27/pessoa (noite)
9 (soberbo, no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Se viajar para Madrid durante um fim de semana gasta cerca de €300 por pessoa

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: claudiapaiva@w360.pt
Viagens

andreia-silvatexto e fotos Andreia Silva
geral@w360.pt

Nice, França

As minhas últimas férias foram na Cote d´Azur, mais conhecida como Riviera Francesa. Foram 10 dias num sítio único, maravilhoso, paradisíaco, com a praia a escassos metros de casa. Dito desta forma parece que sou uma mulher rica… e sou. Não rica em dinheiro, mas rica culturalmente. Afinal, uma das grandes vantagens de viajar é que enriquecemos sempre o nosso interior e a nossa forma de estar com a vida. Por isso sim, fui uma mulher rica na Riviera Francesa e estou ainda mais agora.

Calanques - Marselha

De Marselha a Nice, é notória a riqueza paisagística. O mar é de tom azul tão claro que se consegue ver o fundo. A água é limpa e muito tentadora. Todavia, são poucas as praias gratuitas. Sim. É a Riviera Francesa, uma das zonas mais luxuosas do mundo. Tudo se paga. Os areais, além de serem pequenos, são na sua maioria propriedade dos diversos hotéis que existem junto ao mar.  Nestes casos, apenas podem ir para a praia quem quiser pagar ou quem estiver hospedado no hotel. Só quem conhece bem a zona sabe onde existem os pequenos recantos paradisíacos para conseguir estender a toalha gratuitamente. A coisa não é fácil. Felizmente, tendo uma amiga a viver nesta zona, tudo se tornou mais simples.

13895056_1204028242961782_2189820950517249269_n

13658924_1204028372961769_1297068896939126988_n

Há lugares fantásticos, que nos reportam para sonhos. Pensamos que são irrealidades, mas afinal são verídicos. Estão ali. Ainda não tive a oportunidade de viajar muito, mas do que já conheci, nunca pensei ver casas do tamanho de castelos (ou maiores ainda), iates do tamanho da minha casa… com todo o conforto e luxo que a pessoa possa comprar (o melhor, portanto)! Nunca ponderei ver um mar tão azul, que transmitisse tanta tranquilidade e onde fosse possível nadar à noite sem qualquer perigo, com água a rondar os 24 graus. Não é este o sonho da grande maioria das pessoas? Viver junto ao mar e na tranquilidade? Confesso que não me importava. Nada mesmo.

Assim é em Cannes, em Nice, em Antibes e em Toulon, locais por onde passei. Todos estes locais são caracterizados pelas suas praias pequenas, na maioria pagas, mas com um mar muito apetecível. Em Nice o areal é constituído por pedras e não por areia. Às 18h horas as praias fecham. A partir dessa hora as pessoas regressam a casa ou ao hotel e o biquíni dá lugar aos vestidos, a toalha é trocada por malas de Louis Vuitton e inicia-se o desfile nas ruas de Ferraris, Porches, Lamborghinis, entre outros.

Nice

O local que mais gostei de ver nos miradouros foi o porto de cada cidade. É magnífico ver do alto o pôr do sol e os raios do “astro rei” a esconderem-se aos poucos e a refletirem na água e nos enormes iates. Não há palavras. Os edifícios são históricos. É notória a influencia italiana aquando as invasões no século XIX. A harmonia, a uniformidade das cores e a regularidade presente nos edifícios, fazem de um passeio banal nestas localidades um autêntico sonho. O bom gosto da arte moderna francesa também está presente. Os monumentos e prédios são todos muito bem trabalhados. Exemplo disso é o famoso hotel Negresco, em Nice, que dispõe de vista para a praia. Em Cannes é notória a direção do turismo em torno do anual e mais famoso festival de cinema: Festival Internacional de Cinema de Cannes. Por ali passam todas as celebridades do cinema, na famosa passadeira vermelha onde o turista pode tirar a foto para recordação.

Nice 2

Existem várias ilhas ao longo da costa do sul de França que podem ser visitadas de barco. A mais famosa e que tive a oportunidade de conhecer foi Sant-Tropez. Esta é a ilha de eleição para passar férias de muitos famosos de Hollywood. Nomes como Leonardo DiCaprio ou Gisele Bündchen passam por lá para gozar alguns dias de férias nos seus respetivos iates. Esta ilha tem uma espécie de “emaranhado de ruas” em tons de terracota, com muitos restaurantes, bares e lojas de arte. Aqui não tive receio de me perder. A ilha é tão pequena e acolhedora que rapidamente encontramos um sítio pelo qual já passamos e facilmente chegamos ao centro histórico da ilha.  No Vieux-Port, podem ver-se iates de todos os tamanhos, alguns mais altos que os próprios prédios da ilha. A tarte Tropézienne é o doce típico da ilha.

Sant Tropez

Mas nem tudo é mágico… as pessoas não são educadas. E que me desculpem os franceses, mas têm que aprender a conduzir! Deixar passar um velhinho à frente no supermercado? Ou uma grávida? Nem pensar!!! Ceder o nosso lugar a alguém mais velho? Ele que chegasse primeiro! Parar nas passadeiras, nos stops? Isso é para meninos… Sim. Na Cote d´Azur só tem prioridade quem sabe e pode. Não é quem tem direito.

Tudo é diferente no Mónaco. No Principado do Mónaco é notório em qualquer esquina a boa educação, a simpatia, a riqueza, a beleza…o país faz jus aos seus reis e em todas as esquinas se vê fotografias da família real. No país conhecido como o “paraíso fiscal”, é luxo por todo o lado, desde o porto ao famoso Casino de Monte Carlo. Na estrada só andam carros de topo de gama e dificilmente se vê alguém na rua que não vista algo de uma marca internacionalmente conhecida. Nas ruas que levam à residência dos reis, é impossível não pararmos para tirar dezenas de fotos. Tudo é lindo, mágico, diferente. Parece que não se pode tocar para não estragar. Simplesmente sensacional.

Mónaco

Na segunda maior cidade francesa, Marselha, nota-se imenso a influência muçulmana, principalmente nos edifícios. O porto é o mais bonito que já vi e é neste local que se concentram a maior parte das pessoas no final do dia. O “teto- espelho” que se encontra no Vieux Port de Marselha faz as delícias dos turistas. Os monumentos estão bem sinalizados, mas as ruas são um pouco sujas e achei uma cidade um pouco perigosa. Fazer praia em Marselha é quase impossível. As praias não são muito boas, comparando com as restantes da costa, mas a viagem de barco às Calanques vale muito a pena. Ao longo da viagem é possível ver pontos lindíssimos de Marselha e conhecer a sua história de terra e mar.

Toda esta região da Riviera Francesa vale muito a pena visitar, mas é uma zona turística muito cara. Não se almoça num restaurante por menos de 30€ (exceto nos Mc Donals) e não encontrei uma bebida num bar abaixo dos 15€. Como fiquei em casa de uma amiga, não sei valores de hotéis, mas de certeza que também são caros para algumas carteiras portuguesas. Todavia, é uma região riquíssima em termos paisagísticos e super relaxante para quem procura uns dias para esvaziar a cabeça de tudo. Recomendo.

Cote d´Azur
França (sul)
Francês
Euro (EUR)
GMT+1
Europeias de dois pinos
112
No inverno as temperaturas variam entre -5ºc e 15ºc. A chuva é frequente.
No verão as temperaturas variam entre os 15ºc e os 25ºc.

 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: geral@w360.pt
Reportagem Vídeo

ágora
Na Ágora de Atenas a democracia teve o seu expoente máximo

Diogo Pereira

reportagem e vídeo Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Cláudia Paiva

Atenas, Grécia

No ano em que se completaram dois anos de intervenção do FMI, Banco Central Europeu e União Europeia na Grécia, as dificuldades teimavam em persistir. As lojas fechadas são um dos retratos mais elucidativos da Atenas deprimida face às duras medidas de austeridade da Troika, mas os gregos não baixam os braços.

Matina é dona de uma loja de bebidas numa das zonas mais frequentadas de Atenas e lamenta a forte quebra no consumo que, admite, ser cerca de 30% menos do que em anos anteriores. Esta Ateniense aponta o dedo aos políticos que “não fizeram o melhor pelo país”.

George Selentes é também lojista e vai mais longe. Acredita que os países do norte da Europa conspiram contra os do sul, fazendo os europeus acreditarem que Grécia, Portugal ou Espanha vivem à sombra do trabalho de países como a Alemanha ou França.

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt