Dicas

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Public Domain Pictures

A exposição aos raios solares é mais perigosa a altitudes elevadas

publicidade

Estudos recentes vieram alertar para a necessidade de utilização de protetor solar quando se fazem viagens aéreas. De acordo com a opinião de dermatologistas a aproximação ao sol pode ser prejudicial para os passageiros, principalmente aqueles que viajam junto à janela.

“Embora as janelas do avião bloqueiem os raios UVB, os raios UVA conseguem chegar ao interior da cabine. E, em altitudes maiores, para além de terem que percorrer um caminho menor, os raios UV são bastante mais intensos.”, explica à Travel and Leisure a dermatologista do Weill Cornell Medical College (Nova Iorque), Marisa Garshick.

De acordo com a mesma fonte a ligação entre queimaduras solares em aviões também foi comparada com o que acontece em solários e chegou-se à conclusão que a exposição ao sol num avião em altitude cruzeiro durante uma hora, é equivalente à exposição num solário durante 20 minutos. As conclusões foram publicadas pela revista científica JAMA Dermatology em abril de 2015.

As equipas de cabine e os pilotos são ainda mais expostos a estes perigos e, por isso, deviam proteger-se mais, conclui o estudo.

“É importante protegerem-se dos raios UV que podem levar ao envelhecimento da pele, bem como ao cancro de pele.”, alerta Marisa Garshick, explicando que “é necessário usar protetor solar de, pelo menos, fator 30, sendo aplicado aproximadamente 30 minutos antes do vôo e reaplicado a cada duas horas, especialmente em voos de longo curso.”

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Adrian Pingstone

Os primeiros voos vão partir de Paphos

publicidade

A Ryanair acaba de anunciar o início de rotas regulares entre a Europa e o Médio Oriente. De acordo com o Público a primeira ligação será entre o Chipre e Amã, na Jordânia, e terá início já em março.

A partir de outubro outras cidades se juntarão a Paphos (Chipre) nas ligações à capital da Jordânia: Lituânia (Vílnius), Bélgica (Bruxelas), República Checa (Praga), Roménia (Bucareste), Itália (Milão e Bolonha) e Hungria (Budapeste). As cidades de Atenas, na Grécia, Colónia, na Alemanha e Sofia, na bulgária também vão ter ligações da Ryanair à Jordânia, no entanto o destino será o segundo maior aeroporto de país, situado na cidade de Aqaba.

De acordo com a mesma fonte o diretor da Ryanair, David O’Brien, salienta que as novas rotas vão trazer “viajantes de negócios e turistas de onze países europeus até um dos destinos mais atractivos do mundo”.

Já a ministra do turismo da Jordânia demostrou “agrado pelo facto de a Ryanair lançar 14 novas rotas da Europa para a Jordânia”.

Para celebrar as novas rotas que dão entrada da companhia irlandesa de baixo custo num novo mercado, há passagens aéreas a €19,99 para a rota Paphos-Amã.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Cláudia Paiva

As consequência nefastas que o excesso de turistas provocam em alguns locais são os principais motivos para a criação desta lista.

publicidade

Impaciência da população, motivos ambientes ou sobrelotação de turistas, são estes os principais motivos que levam a CNN a elaborar uma lista de destinos dos quais deve fugir quando estiver a planear as suas férias.

Para além de indicar os locais a cadeia de televisão norte-americana explica ainda um por um, os motivos que levaram à escolha. Eis a lista:

Ilha de Skye, Escócia Os turistas não são bem vindos nesta ilha conhecida pelos seus castelos medievais. As populações queixam-se do barulho e do facto de os turistas urinarem em todo o lado.

Barcelona Mais um lugar onde os turistas começam a afetar o dia-a-dia da cidade e há cada vez mais movimentos que os querem ver longe. A cidade está a ser invadida de grafitis anti-turismo e os preços das casas têm disparado por causa de serviços como o Airbnb.

Dubrovnik Depois de a UNESCO ameaçar retirar a distinção de património mundial à cidade croata, o departamento de turismo do país resolveu começar a limitar o número de turistas.

publicidade

Veneza Um dos destinos turísticos mais cobiçados do mundo também está na lista da CNN, muito por causa das restrições impostas ao setor do turismo. A limitação na circulação dos canais é um dos principais fatores. Os 30 milhões de visitantes por ano também causam alguma preocupação.

Santorini A Camara Municipal da ilha está preocupada com a descaracterização deste destino famoso, provocada pelos turistas que ficam apenas algumas horas.

Butão Embora a visita tenha uma taxa turística associada, o número de turistas está a ser limitado como o objetivo de evitar um impacto ambiental nocivo para o país asiático.

Taj Mahal, Índia As mármores do monumento estão a ficar amarelas e já se fala em risco de colapso, por isso recentemente foram limitadas as visitas.

Monte Evereste, Nepal Recentemente foram incluídas limitações de acesso à montanha a invisuais, amputados ou alpinistas solitários.

Machu Pichu Atualmente o número de visitantes é o dobro do recomendado pela UNESCO e estão a ser tomadas medidas para esse número baixar.

Ilhas Galápagos, Equador Os turistas têm posto em causa a conservação do habitat de milhares de seres vivos que fazem da ilha um dos lugares mais fascinantes do mundo.

Cinque Terre, Itália Ao que parece os turistas quase não gastam dinheiro quando visitam a vila e é-lhes atribuído o aumento de deslizamentos de terra. Não vai ser bem recebido aqui.

Antártida Para além das consequências resultantes das alterações climáticas, a constantes visita de turistas está a pôr em causa a sustentabilidade do inóspito local.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto DPRK360

Ranking está a gerar controvérsia entre alguns aliados americanos

A Coreia do Norte é um dos países para onde os cidadãos americanos estão impedidos de viajar por lei

publicidade

Os Estados Unidos criaram um ranking oficial que tem como objetivo identificar os países para onde os seus cidadãos não devem viajar e, em oposição, estão os países que não têm impedimentos. A listagem que funciona com atribuição de quatro níveis, de 1 a 4, em que os países aos quais é atribuído o nível 4 são os “nada recomendáveis” e aqueles que têm o nível 1, são os “mais recomendáveis”.

A segurança é o foco principal desta avaliação que coloca o Afeganistão, República Centro-africana, Irão, Iraque, Líbia, Mali, Somália, Sudão do Sul, Síria e Iémen com nível quatro motivado pela elevada possibilidade de crimes, terrorismo, sequestros e conflitos armados, esclarece o Travel.state.gov.


Embora seja um dos países mais inseguros do mundo, recentemente, o Turismo da Síria lançou esta campanha:


A Coreia do Norte também está carimbada com o número quatro, no entanto, a visita a este país já é proibida pela legislação americana.

A criação deste mecanismo está, no entanto, a criar algum mau estar entre alguns dos mais importantes aliados americanos, uma vez que lhes foi atribuído o número 2, que recomenda aos viajantes “alguma cautela” nas deslocações. Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Brasil, Colômbia, República Dominicana e México são alguns deles.

Cuba, Venezuela, Guatemala, Honduras e El Salvador são algumas das nações a surgir na terceira posição deste ranking o que significa que se estiver a planear passar alguns dias nelas, deve “reconsiderar a viagem”.

“Não se deixe enganar por uma nova categorização do Departamento de Estado, que inclui Cuba infundadamente no Nível 3 de risco, um país pacífico, saudável e reconhecido como um dos destinos mais seguros do mundo. Quase 5 milhões de visitantes em 2017 confirmam isso”, contrariou Josefina Vidal, diretora da divisão de Estados Unidos da chancelaria cubana, no Twitter.

Portugal surge neste ranking com o nível 1, ou seja, é considerado pelos EUA um dos países mais pacíficos do mundo e os viajantes não devem ter cuidados especiais aquando a sua viagem.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Amazon

Baterias de lítio podem provocar explosões

Esta é uma das malas inteligentes mais vendidas no site da Amazon

publicidade

Várias companhias aéreas começaram a proibir malas inteligentes a bordo dos seus voos. Em causa estão as baterias de lítio nelas contidas que podem pôr em causa a segurança dos aparelhos.

Uma mala inteligente é uma mala que consegue transportar objetos, como todas as outras malas, mas ainda consegue responder a algumas necessidades mais urgentes do século XXI. Como carregar o telemóvel ou o tablet, transportar um router de internet ou incluir um dispositivo de rastreamento GPS para localização em caso de roubo ou extravio.

No entanto, para conseguirem encher as baterias dos gadgets estas malas têm que transportar no seu interior uma bateria. E aqui é que está o problema. As baterias de lítio pode sobreaquecer e explodir causando graves danos à aeronave.

Companhias como a United Airlines, Delta Air Lines, Qantas, Air Canada ou a British Airways já decidiram que só vão permitir estas malas a bordo dos seus voos, caso seja possível remover as baterias da mala e transporta-las na cabine do avião, junto ao passageiro e fora do modo de carregamento, avança a Travel and Leisure.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Cláudia Paiva

O objetivo é percorrer 1000 km usando latas de Red Bull como moeda de troca

publicidade

A Red Bull está a desafiar jovens estudantes de 60 países a entrarem numa viagem pela Europa. A particularidade deste desafio é que o percurso tem que ser percorrido sem dinheiro, tendo os participantes apenas como moeda de troca para o dia-a-dia latas de Red Bull.

A viagem vai começar a 10 de abril em Budapeste, Madrid, Manchester, Roma ou Estocolmo e depois de sete dias os aventureiros têm que chegar ao destino final: Amesterdão.

As poupanças, cartões de crédito, telemóveis, tablets e computadores pessoais não podem entrar nesta viagem, em contra partida a organização oferece aos participantes um dispositivo eletrônico que servirá para partilharem as experiências vividas.

Sem dinheiro os 600 selecionados terão apenas 24 latas de Red Bull (que serão repostas à medida que a viagem vai progredindo) para trocarem por bens essenciais ao seu dia-a-dia e por experiências.

“Nas últimas edições, algumas equipas conseguiram não só atingir a meta final (cumprindo as necessidades básicas do dia a dia) como ainda gozaram experiências pouco acessíveis ao comum dos mortais, como viajar num jato privado ou assistir a uma partida da Liga dos Campeões”, refere a organização.

Os participantes serão divididos em equipas de três elementos e para serem selecionados têm que ter mais de 18 anos, estar inscritos numa universidade e fazer um vídeo onde apresentam os argumentos para participar na aventura. O vídeo vai ser alvo de uma votação online e os mais votados passarão pela apreciação do júri.

“Estratégia, espírito de equipa, imaginação e muito jogo de cintura são algumas das qualidades essenciais exigidas para vingar nesta aventura alucinante”, diz a marca.

As inscrições podem ser feitas no site criado exclusivamente para esta iniciativa.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Pixabay

Viagem vai passar por países como Japão, China ou Vietname

publicidade

O grupo turístico Aman, dono de alguns dos mais luxuosos hotéis do mundo, está à procura de viajantes interessados em percorrer alguns países do mundo num jato privado.

A viagem vai ter passagem pelo Japão, China, Vietname, Tailândia, Butão, Índia, Grécia, Montenegro e Itália e custa €114 888 por pessoa se viajar sozinho e €145 888 para quem quiser viajar sozinho.

Os aviões caracterizam-se pelo luxo tendo a bordo serviços como lounges, chuveiros e uma tripulação pronta a providenciar comidas e bebidas ao gosto dos viajantes.

O Aman Global Private Jet Expedition vai para o ar em abril e os participantes terão direito a voar num jato particular e a ficarem hospedados nos hotéis do grupo.

A experiência inclui ainda passeios e refeições exclusivas.

A viagem vai decorrer entre os dias 15 de abril e 6 de maio de 2018.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto National Geographic

Snowborder britânico teve acesso a um dos países mais fechados do mundo

publicidade

Jamie Barrow é o mais veloz snowborder do Reino Unido e foi ele o cicerone da National Geographic para um documentário que mostra imagens inéditas da capital da Coreia do Norte e de uma das mais importantes instâncias de ski do país.

Barrow começou a sua viagem em Pequim onde apanhou um voo a que muito poucos têm acesso com destino a Pyongyang a bordo da companhia Air Koryo, a companhia de bandeira da Coreia do Norte.

Esta é uma viagem a que muito poucos têm acesso e que fica gravada neste vídeo:

publicidade

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Notícias

texto e foto Diogo Pereira
diogopereira@w360.pt

foto Ângela Peça

O dinheiro gasto pelos mais jovens em viagens tem vindo a aumentar

publicidade

A empresa norte-americana Contiki, especializada na organização de viagens para millenniels, veio apresentar dados que corroboram uma tendência cada vez mais clara: os mais jovens estão a dar prioridade às viagens e não pensam em comprar casa.

De acordo com a diretora de vendas e marketing da Contiki, Donna Jeavons, os seus clientes gastaram mais 10% em viagens do que no ano anterior, verificando-se por isso um aumento acentuado.

“Com a habitação tão cara, muitos jovens procuram outros objetivos primeiro, sabendo que comprar uma casa pode ser mais difícil do que foi para as gerações anteriores”, disse Jeavons à Associated Press, citada pela Lonely Planet.

A Contiki está a perceber que os jovens estão a fazer cada vez mais viagens e locais mais remotos que há uns anos eram um pouco mais inacessíveis.

Responsáveis pela nova tendência são também as companhias aéreas lowcost e os alojamentos mais baratos que reduziram e muito os preços das viagens, antes apenas acessíveis às classes mais altas.

Para além dos números há outras evidências que compravam que os millennials têm as viagens no topo das suas prioridades e que o mercado sabe disso.

A Air France apresentou recentemente uma companhia aérea dedicada aos mais jovens e a U by Uniworld vai lançar um cruzeiro onde só quem tenha entre 18 e 30 anos pode entrar.

publicidade

publicidade

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção ao autor: diogopereira@w360.pt
Dicas

claudia-paivatexto Cláudia Paiva
claudiapaiva@w360.pt

fotos comerciais

Se tem dificuldade em encontrar prendas de natal para aquele seu amigo que é um amante de viagens, escolhemos dez para o ajudar neste natal.

Livro “O Esplendor do mundo”

O mais recente livro de um dos maiores viajantes portugueses chegou às bancas em novembro. Gonçalo Cadilhe selecionou 99 destinos e experiências de viagem que o marcaram. Destinos como Albi e o território Cátaro em França, Kashgar na China, Taj Mahal na Índia, Bagan em Myanmar, Okavango Delta em Bostsuana são algumas das escolhas do autor.

€15,60
Compre aqui

Chocolate Box

Quer surpreender alguém com uma viagem e não sabe que destino escolher? A Chocolate Box ajuda-o. Por apenas 175€ por pessoa tem direito a 2 noites num hostel, um voo direto e um roteiro personalizado. O destino só é revelado 48 horas antes da viagem e o bilhete vem numa embalagem de chocolate.

€175
Compre aqui

publicidade

Mapa – Raspadinha Deluxe

Para aquele seu amigo que está sempre a pensar no próximo destino, ofereça um mapa que é uma raspadinha gigante. À medida que vai viajando, vai raspando os países por onde passou.

€19,90
Compre aqui

Necessaire Samsonite

Qualquer que seja a viagem pode ter uma certeza, vai sempre precisar de levar shampoo, pasta de dentes, escova, cosméticos, etc, etc… por isso nunca é arriscado oferecer um necessaire.  O ideal é que seja prático e que permita organizar e realizar todas as tarefas essenciais de higiene durante viagens mais curtas e as mais longas.

€34
Compre aqui

Albúm de Viagens Mr. Wonderful

Mr. wonderful é um site para se perder. Pode escolher desde uma simples etiqueta para a mala, uma capa para o passaporte, Álbuns para colocar as fotos, etc. Com um design personalizado, a Mr. Wonderful conquista não só o público mais novo como os mais adultos, vale a pena espreitar.

€9,80
Compre aqui

publicidade

Mala Kånken

Estão muito na moda e são muito práticas para colocar tudo que vai precisar nas viagens, as malas da Fjällräven são leves, práticas e impermeáveis. Ideias para uma viagem.

€89,95
Compre aqui

Talheres Explore

Para os mais aventureiros um kit de talheres pode ser muito útil na hora de viajar. Ter os seus talheres pessoais pode ser uma forma prática e rápida de fazer algumas refeições mais rápidas nas viagens.

€15,00
Compre aqui

Caderno Moleskine

Pode ser um simples caderno preto com páginas lisas, mas também pode ser o princípio para um diário de viagem ou um scrapbook. Apesar de hoje ser muito mais prático registar tudo numa rede social, ter um caderno para guardamos algumas memórias pessoais pode ser útil para mais tarde recordar.

€16,90
Compre aqui

publicidade

GoPro

Quem não gosta de tirar fotos? As GoPro vieram revolucionar o mundo das câmaras, pequena e fácil de transportar fazem vídeo e fotografia com uma excelente qualidade.

€469,99
Compre aqui

Almofada de pescoço Trtl 

Viajar de avião pode ser uma tortura para aqueles que querem dormir e não encontram a posição certa. Esta almofada é bastante mais prática do que as tradicionais, uma vez que tem um sistema de suporte interno para segurar a cabeça e o pescoço. A almofada é de um tecido macio e fecha com um velcro, o que permite ajustar ao pescoço de cada pessoa.

€39,95
Compre aqui

publicidade
 

Encontrou algum erro ou informação desatualizada? Sugira uma correção à autora: claudiapaiva@w360.pt