Gostava de poder fazer chamadas a bordo de um avião? A maioria dos passageiros diz que não

Um estudo levado a cabo pela Turkish Airlines demonstra que, ao contrário do que seria expectável, a maioria dos passageiros não quer fazer chamadas a bordo.

PUB

Os aviões são um santuário longe do resto do mundo e a maioria dos norte-americanos espera que as coisas permaneçam desse modo. De acordo com uma sondagem de opinião encomendada pela transportadora Turkish Airlines à empresa de estudos de mercado Nielsen, para 89% dos passageiros dos Estados Unidos realizar uma chamada telefónica a bordo de um avião trata-se de uma prática indesejável.

A maior parte dos entrevistados mencionou “incómodo” e “distúrbio” como motivos para se dever impedir as comunicações de telemóvel de continuarem a existir nos voos.

Noutras partes do planeta, o posicionamento relativamente à execução de chamadas telefónicas numa aeronave não se revela tão contundente, ainda que a maioria concorde com os americanos: 51% dos passageiros globais não mostra simpatia pela opção de uso de telemóvel no decurso de uma viagem aérea. Ao invés, a maioria dos viajantes de nações como Índia, China e Emirados Árabes Unidos preza haver possibilidade de dialogar ao telemóvel durante uma deslocação aérea.

Felizmente para os yankees, a Federal Communications Commission (FCC) também não é apreciadora da existência de comunicações de telemóvel em trajetos aéreos. Em abril do ano passado, Ajit Pai, o atual presidente da FCC, disse ”não” a uma proposta que permitia que chamadas de voz fossem efetuadas quando se está numa viagem de avião.