NotíciasOs macacos são um verdadeiro problema para o Taj Mahal
Índia Taj Mahal

Os macacos são um verdadeiro problema para o Taj Mahal

PUB

Os macacos são um dos pormenores a que os turistas mais acham graça quando se começam a aproximar do Taj Mahal, um dos monumentos mais visitados da Índia, mas a verdade é que há mais razões para se manterem afastados deles do que para se tentarem aproximar.

As regras impedem os turistas de entrarem no complexo com comida, pelo que todos os alimentos que transportem consigo têm que ficar em caixotes do lixo próximos da entrada. Esta prática faz com que os macacos que fazem daquela zona a sua casa se sintam tentados a aproximar-se para se alimentarem.

India Taj Mahal
O Taj Mahal é um dos monumentos mais visitados da Índia. Foto de Margarida Neves

De acordo com vários especialistas citados pela Lonely Planet, a comunidade de macacos está a ficar cada vez maior e os animais embora à distância possam parecer adoraveis, a verdade é que estão cada vez mais agressivos.

Em novembro do ano passado foi mesmo registada a morte de um bebé que não resistiu aos ferimentos depois de ter sido arrancado dos braços da mãe por um destes animais. Este caso ajudou a chamar a atenção para os números que relatam pelo menos dois casos de mordidas ou arranhões por mês provocados por macacos à porta do Taj Mahal.

A lei da Índia é rigorosa no que diz respeito aos animais selvagens e pune fortemente quem os maltratar, por isso a forma que as autoridades locais encontraram para manter os macacos longe dos turistas foi utilizarem fisgas para os assustarem quando se aproximam em demasia dos turistas.

PUB

Tentar mover os animais daquela zona ou esterilizá-los são duas medidas que estão na calha das autoridades, mas que ainda não foram postas em prática por falta de verbas.

Diariamente cerca de 25 mil pessoas visitam o Taj Mahal.

Artigos Sugeridos

Sou licenciado em Jornalismo e estou a fazer o mestrado em Relações Internacionais. Quero aprender como gira o globo. Como se fazem e desfazem alianças. Como é que os líderes aprendem com a história. diogopereira@w360.pt