Ryanair. Cobrança por check-in antecipado é ilegal, diz a Deco

A Ryanair pode estar a cobrar ilegalmente quatro euros aos passageiros que tenham que fazer chek-in antecipado por causa de uma falha no sistema informático.

PUB

Os quatro euros que a Ryanair pode vir a cobrar aos passageiros que tenham que fazer check-in antecipado por causa da falha no sistema informático “é ilegal”, diz a Deco citada pela Lusa.

A associação de defesa dos consuidores aconselha os passageiros que se encontrarem nesta situação a reclamarem junto da Ryanair e a fazerem queixa na plataforma “Queixa dos Transportes” da Deco, e informa que vai denunciar a situação junto da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

Esta situação surge no seguimento de um anúncio feito pela companhia de baixo custo irlandesa na segunda feira, onde se informava que os serviços de check-in online estariam indisponíveis por um período de 12 horas entre as 17 horas desta quarta feira, 7 de novembro e as 5 desta quinta feira, 8 de novembro. O objetivo da indisponibilidade dos serviços é, de acordo com a low cost proceder a uma “atualização de sistema”.

A Ryanair fez saber que contactou todos os passageiros com voos marcados para esta quarta e quinta feira, aconselhando-os a efetuarem os seus check-in na terça feira, imediatamente antes da suspensão dos serviços.

De acordo com a Deco, os passageiros que seguirem o conselho da companhia podem ser surpreendidos com a necessidade de pagarem quatro euros para escolha de lugar que é a única possibilidade de dar seguimento ao processo antes do período de check-in gratuito.

De acordo com a Deco “trata-se de mais uma política inaceitável” da Ryanair, que “penaliza os passageiros, apesar de o constrangimento ser da responsabilidade da companhia”.

PUB

A Lusa tentou contactar a Ryanair, sem sucesso.

Foto de Paolo Margari Flick,r