Ryanair recusa-se a voar com lugar do meio vazio para conter Covid-19: “É uma ideia idiota”

Com as companhias aéreas a procurarem formas de ultrapassar a Covid-19, surge a possibilidade de voarem com o lugar do meio vazio. “É uma ideia idiota”, diz Ryanair.

Avião da Ryanair fotografado na pista do aeroporto. Foto de Pixabay
PUB

Depois de várias semanas com as frotas de aviões totalmente paradas, muitas companhias aéreas começam a pensar em formas para poderem retomar as rotas comerciais.

Uma das medidas que estão em cima da mesa é a possibilidade de os lugares do meio não serem vendidos, para garantir o distanciamento de segurança entre passageiros durante o voo.

Apesar de a medida ainda não ter sido defina como obrigatória, o presidente da Ryanair, Michael O’Leary, já se veio mostrar contra a ideia.

Numa entrevista ao Financial Times, o responsável pela companhia irlandesa de baixo custo já veio fazer uma exigência ao governo irlandês, onde está a sede da companhia: que ou “paga pelo assento do meio”, ou não é tão cedo que voltamos a ver os aviões da low cost no ar.

Para justificar a tomada de posição, O’Leary diz que “não podemos ganhar dinheiro com uma taxa de ocupação de 66%”. E acrescenta que deixar o lugar do meio vazio não garante a distância suficiente, sendo “uma ideia idiota que não leva a nada”.

PUB

A Ryanair está com 99% da frota em terra e esta tomada de posição do presidente da companhia surge depois de a Easyjet ter anunciado que pondera deixar o lugar do meio vazio quando puder voltar a voar.

A decisão da companhia britânica surge numa altura em que já garantiu dois mil milhões de libras de empréstimo do estado inglês, bem como 700 milhões de libras a título de empréstimo

A Organização Internacional da Aviação Civil estima que este ano sejam transportados menos 1,2 mil milhões passageiros do que no ano passado.

Autor

Artigos Sugeridos