Castelo Sant’Angelo. A fortaleza que ajudou a igreja a defender-se

Como todos os monumentos de Roma, também o Castelo Sant’Angelo teve várias vidas. A igreja bem pode agradecer-lhe o que fez por ela

PUB

O Castelo Sant’Angelo não deixa que Roma se esconda. Já estamos habituados a que fortalezas deste género sejam construídas em pontos estratégicos para que não haja ângulos mortos e este local cumpre essa função desde que foi mandado erguer em 123 d.C. pelo imperador Adriano. Roma já não está em perigo de ser atacada por isso este castelo já só tem funções associadas ao conhecimento da história e ao lazer. É por aí que começamos.

Sem pressas, a chegada ao topo permite uma vista desafogada sobre todos os lugares marcantes de Itália. Um painel desenhado ao longo dos lancis ajuda-nos a perceber para onde estamos a olhar, mas nem precisamos de ler a legenda para percebermos que mesmo ali ao lado está o Vaticano. A Praça de São Pedro e a Basílica são inconfundíveis. Mas se é daqui que a vemos bem, foi a partir de lá que sempre se olhou para o castelo como porto de abrigo.

A ligar estes dois lugares incontornáveis está um túnel que sempre foi secreto, mas agora todos sabem que existe e sabem que serviu para manter em segurança vários líderes da Igreja Católica. Quem mandou construir este acesso foi o Papa Nicolau III que o usou para se refugiar durante as invasões de Roma. Alguns dos seus sucessores também o fizeram. Mais: muitos dos tesouros que hoje podemos admirar nos museus do Vaticano só não foram saqueados porque também percorreram este caminho.

Tal como a maioria dos monumentos que visitamos em Roma, também este teve várias encarnações. A ideia da sua construção nem estava associada à defesa do território, Adriano queria uma espécie de panteão para si, a sua família e os seus sucessores. Morreu antes de o ver de pé, mas o imperador seguinte, António Pio, fez lá chegar as cinzas do seu antecessor.

Antes de tudo isto, naquela margem direita do rio Tibre não existia praticamente nada, era uma espécie de subúrbio despovoado do império, mas quando em 403 d.C., quando o imperador Onório decidiu transforma-lo em fortaleza houve dezenas de famílias abastadas que quiseram mudar-se para a área protegidas pelas muralhas. Ali conseguiam estar protegidas dos ataques de que a cidade era alvo, mas também ficavam livres das cheias e longe de doenças que matavam milhares de pessoas como a peste.

PUB

Precisamente a Peste Negra acaba por marcar para sempre a história do Castelo Sant’Angelo. Mais de 800 anos depois da sua fundação, precisamente durante a epidemia de peste que matava centenas de pessoas na cidade, o Papa Gregório I teve uma visão do Arcanjo São Miguel no topo do Castelo. De acordo com o líder da igreja ele tinha ali ido para anunciar o fim da epidemia. A visão premonitória acabou a dar lugar à estátua de um anjo que ainda hoje coroa o edifício e que lhe dá a possibilidade de ser visto a partir de vários pontos da cidade.

A vida deste lugar não termina sem que acabasse a ser usado como cadeia onde eram presos todos os que atentassem contra a dignidade dos Papas que moravam mesmo ali ao lado. Pelo menos até ao período monárquico começar, o Castelo foi uma verdadeira casa de horrores para quem acaba ali encarcerado.

Atualmente o Castelo está dividido em cinco pisos, sendo possível visitar as várias casas existentes dentro das muralhas, as celas do período em que funcionou como cadeia e também os quartos usados pelos Papas que o usaram como residência. São precisamente estes últimos que estão decorados com frescos e detalhes em ouro, mostrando um cuidado com a preservação irrepreensíveis.

Antes de chegar ao terraço e gastar tempo a tentar identificar os vários pontos imperdíveis de Roma, pode ainda tomar um café com esta vista desafogada numa das esplanadas da cafeteria do castelo. Haverá melhor forma de saborear a iguaria italiana que é o café do que com uma vista privilegiada sobre Roma?

Castelo Sant'Angelo
Roma, Itália (Lungotevere Castello, 50)
€15
todos os dias: 9h às 19h30

P.za Pia/Castel S. Angelo é a paragem de autocarro mais próxima da entrada do Castelo Sant’Angelo. Serve as linhas 23, 34, 40, 62, 280 e 982.

Guarde pelo menos duas horas para visitar o Castelo Sant’Angelo para que possa tomar um café italiano com uma vista desafogada sobre a cidade sem pressas.
Artigos Sugeridos