Roteiro Expo 2020. Dois dias para descobrir o mundo todo e como ele quer ser sustentável

Com um ano de atraso, a Expo 2020 abriu portas no Dubai. São 192 países em mais de quatro quilómetros quadrados na maior Expo de sempre

Al Wasl Plaza Expo 2020 Dubai
PUB

As exposições universais mais bem sucedidas conseguiram sempre dois feitos: construir monumentos que ajudam a tornar as cidades que as acolhem mais carismáticas; e mostrar ao mundo, no momento em que se realizam, as principais preocupações dos países participantes. Se a Expo 89 deu ao mundo e a Paris a Torre Eiffel, a Expo 58 deu ao mundo e a Bruxelas o Atomium. Foi na Expo 67 de Montreal que sobressairam as respostas aos desafios do aumento das populações nas grandes cidades e na de Melbourne, em 1880 que se mostraram os benefícios da luz elétrica na rua.

No Dubai há um monumento que vai ficar para a posteridade. A Al Wasl Plaza até pode nem ser dos monumentos mais colossais deste país dos superlativos, mas mesmo assim detém um record: é a maior cúpula sem apoio do mundo e vai ficar neste espaço quando todos os países se forem embora. E quando se forem embora também vai ficar a preocupação com a sustentabilidade, o grande tema desta Expo.

A Expo 2020 nasce num dos países mais pujantes a nível mundial e com um crescimento mais rápido. Talvez os Emirados Árabes Unidos não precisem deste evento para se modernizarem como aconteceu em muitos outros países, mas vão conseguir mostrar ao mundo o que de melhor conseguem fazer.

São 192 países com pavilhões organizados numa área de mais de quatro quilómetros quadrados na maior exposição universal do mundo. Apesar do forte nível de desenvolvimento, o Dubai aproveitou ainda este momento para construir estradas novas, hotéis e um prolongamento da principal linha de metro.

Chegamos ao Dubai com um ano de atraso por causa da pandemia, mas com umas sapatilhas bem confortáveis vamos calcorrear toda esta área, numa verdadeira volta ao mundo a pé.

PUB
Expo 2020
Emirados Árabes Unidos
Dubai
esperados 25 milhões de visitantes
Dirham (AED)
GMT+4
1 de outubro de 2021 a 31 de março de 2022
todos os dias: 9h às 0h
 passe de 1 dia: €24,34 | passe de 1 mês: €49,96
aceda ao mapa da expo

De abril a outubro, o Dubai enfrenta os meses de maior calor com temperaturas quase sempre superiores a 40ºC durante o dia. Os meses de inverno, de novembro a março, o calor continua a fazer-se sentir mas as temperaturas são mais amenas. Durante todo o ano o deserto sente-se particularmente com um ambiente muito seco.

expo 2020 dubai logo

Dia 1

Pavilhão da Arábia Saudita
10:00 – 11:00

Opportunity District
Boris Micka Associates

O nosso caminho começa a fazer-se no segundo maior pavilhão da Expo 2020. O título tinha que ficar, claro está, para os anfitriões Emirados Árabes Unidos, mas a Arábia Saudita não quis perder o segundo lugar no top.

A Janela do Futuro é o mote deste espaço que não passa despercebido com o seu formato retangular a apontar ao céu e com um espelho gigante voltado para fora que permite observar quem passa na parte exterior. Na lateral correm em vários ecrãs palavras como Sustentabilidade; Descubra a Arábia Saudita, Explore Novas Maravilhas; Trabalhar para um amanhã melhor; Construir cidades do Futuro.

O caminho para a entrada faz-se debaixo do grande reflexo da fachada, através de escadas que nos deixam ouvir o som da água. E há gritos de felicidade de jovens e menos jovens que tentam ultrapassar uma cortina de água que vai mudando de forma e apanha muitos desprevenidos. A sorte é estarmos em latitudes onde sabe bem um banho de água fira.

A água é um elemento que vai estar presente até ao fim desta visita, com as despedidas a serem feitas numa cascata que nos mostra um espetáculo interativo, com referência a várias cidades do país. Mas antes disso, no interior, o contacto com a cultura saudita é feito através de ecrãs gigantes com grande destaque para os monumentos que são património da humanidade.

A Arábia Saudita também não quer ficar de fora da meta da sustentabilidade e mostra como estão a aproveitar as nove horas de sol por dia que o país tem, com uma aposta forte nas energias renováveis.

Pavilhão de Itália
11:00 – 12:00

Al Forsan
CRA-I.Rota-Matteo Gatto-F&M

Seguimos na direção das bandeiras verdes, brancas e vermelhas. Itália está bem identificada e neste pavilhão está bem presente a ideia de reciclagem e reutilização de materiais.

A sustentabilidade começa logo na construção onde não há paredes, mas sim cordas robustas que são feitas a partir de dois milhões de garrafas de plástico. São bonitas, amigas do ambiente e dispensam o ar condicionado uma vez que permitem uma ventilação natural ao espaço. No topo são três cascos de barco em perfeitas condições de utilização que formam o teto, uma ligação perfeita entre o design e a arquitectura.

O arquiteto Ítalo Rota e o co-designer Carlo Ratti preocuparam-se em reduzir a pegada ecológica e está tudo pensado para que no final do evento fique para trás o menor lixo possível. No interior vários materiais de construção são feitos de borras de café e de cascas de laranja, com a ideia de reciclar, reparar e reutilizar os resíduos, em vez de o descartar.

Antes de sair há ainda tempo para uma amostra de grandes estilistas italianos, uma cúpula coberta com ervas selvagens do Mediterrâneo, com objectivo de evocar os jardins da Renascença, e uma réplica impressa em 3D da famosa estátua de David do artista Michelangelo.

Pavilhão dos Estados Unidos da América
12:00 – 13:00

Al Forsan
Woods Bagot

Seguimos os caminhos da Expo 2020 na direção de uma das maiores potências mundiais que não deixou que o título lhe escapasse no Dubai.

O Pavilhão dos Estados Unidos da América traz para a fachada os símbolos nacionais, as estrelas da Bandeira que são visíveis desde o chão até ao teto. A visita é iniciada com uma mensagem de boas vindas da vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, com um lugar de destaque junto à bandeira do país.

Passear pelo recinto da Expo pode ser verdadeiramente cansativos, mas este é o momento de descansar porque toda a visita aos Estados Unidos é auxiliada por uma passadeira rolante para onde somos convidados a subir logo à entrada. A partir daqui só precisamos de rodar a cabeça para vermos todos os pontos fortes deste espaço.

A viagem fica completa com o vislumbre de uma réplica do Space X Falcon 9. O foguete que partiu para o espaço com três astronautas americanos e um japonês para uma viagem à Estação Espacial Internacional serve de chapéu à esplanada do restaurante do pavilhão.

Authentic Emirati Cuisine
13:00 – 15:00

Al Wasl
a partir de €15
todos os dias: 10h às 0h

A caminhada já vai longa e o tempo de conhecer culturas estrangeiras acabou. A partir de agora vamos conhecer a cultura local. A Expo 2020 é organizada nos Emirados Árabes Unidos e a comida desta região do mundo tem muito para dar. O Authentic Emirati Cuisine está localizado numa das zonas mais emblemáticas de todo o recinto, a Al Wasl, a praça principal da Expo, e por isso a esplanada é o lugar perfeito para escolher mesa.

Pavilhão de Espanha
15:00 – 16:00

Sustainability District
Amann-Canovas-Maruri

Já de barriga reconfortada, seguimos em direção a Espanha.

Este pavilhão destaca-se no recinto e vai sendo possível vê-lo de vários pontos. O laranja e vermelho garrido são os grandes responsáveis por isso, mas também a sua forma em cone apontado ao céu faz dele um desigual de todos os outros. Precisamente esta forma é mais uma ideia engenhosa de trocar as voltas às temperaturas quentes que se fazem sentir no Dubai uma vez que ajuda a dissipar o ar quente, reduzindo o recurso ao ar condicionado.

No interior do edifício o tema central é a inteligência artificial. À medida que vamos descendo as escadas em formato circular, vamos vendo um laço eletrónico com algoritmo que nos encaminha até à sala onde somos convidados a ver um filme sobre as alterações climáticas e como elas estão a mudar o planeta tão rapidamente.

Espanha é um dos países com maior diversidade marinha e quer mostrar que está preocupada com as alterações climáticas e com os efeitos devastadores que elas podem trazer a este património. A chamada de atenção é feita através de uma representação de peixes, pássaros e répteis que vão desaparecendo da imagem, perdendo-se a sua importância num planeta sustentável.

Pavilhão de Singapura
16:00 – 17:00

Sustainability District
WOHA

A onda da sustentabilidade que invadiu a Expo 2020 também não passa ao lado do Pavilhão de Singapura, a nossa próxima paragem.

Estamos na zona da sustentabilidade quer mostrar como a arquitetura e o respeito pela natureza podem conviver de forma muito harmoniosa. Este é dos pavilhões mais verdes de todo o recinto com mais de oito milhões de plantas a cobrir o chão, paredes e até tetos.

Singapura trouxe até ao Dubai uma representação dos jardins suspensos do país e com eles a tecnologia. Aqui podemos ver como funciona um robô que analisa a temperatura e humidade para criar as condições ideias para o pavilhão continuar verde durante toda a exposição.

Cascatas Surreais
17:00 – 18:00

Jubilee
WET

Enquanto caminhamos pelo recinto da Expo 2020 e vemos dezenas de fontes talvez seja fácil conseguirmos lembrar-nos do sítio onde estamos, mas a verdade é que estamos no meio do deserto, um lugar que noutros tempos já foi inóspito.

É surreal pensar que por estas bandas pode haver cascatas e é também por isso que esta instalação tem esse nome: “Surreal”, mas a ideia é ir mais longe. Com as temperaturas quentes que se fazem sentir no Dubai, os visitantes são convidados a colocarem-se na base destas três cascatas erguidas à altura equivalente de prédios de quatro andares. Se olharem para cima vêm a água a vir em direção a eles, mas antes mesmo de lhes tocar desaparece no chão.

À noite o espetáculo adiciona a luz à música criada por Ramin Djawadi, o compositor conhecido pela abertura da série “A Guerra dos Tronos”.

Rising Flavours
18:00 – 20:00

Jubilee Park
a partir de €15
todos os dias: 10h às 0h

Ainda com os pés molhados pelas Cascatas Surreais, não temos que caminhar muito para chegar ao Rising Flavours, o sítio onde vamos jantar antes de dar por terminado o primeiro dia na Expo 2020.

No fundo a ideia é terminar o dia da mesma forma que começou, com os sabores da Arábia Saudita que trazem para a mesa sugestões de carne, peixe e arroz. Para acompanhar, experimente as bebidas de Cardamomo, açafrão e menta.

Dia 2

Pavilhão do Brasil
11:00 – 12:00

Sustainability District
JPG.ARQ, MMBB and Ben-Avid

O segundo dia na Expo 2020 começa em língua portuguesa com uma visita ao Pavilhão do Brasil.

Em formato quadrangular, todo branco, vai ganhando as formas das projeções do interior, mas as cores que tão bem caracterizam o país estão todas guardadas lá dentro. Não só as cores vivas das casas típicas do nordeste Brasileiro, mas também da floresta da Amazónia e o rio Amazonas.

Este pavilhão consegue ainda recriar no Dubai o clima tropical brasileiro, com um enorme espelho de água que ajuda a criar momentos de diversão dos visitantes, também com as imagens da biodiversidade que preenchem as paredes brancas.

Juntamente com música, muita música brasileira, este é um dos pavilhões mais animados de toda a exposição. Vai ser impossível não dançar.

Pavilhão de Portugal
12:00 – 13:00

Jubilee
Saraiva e Associados

Só estamos a passar pelo pavilhão de Portugal no segundo dia, mas não é porque ele seja pouco importante, na verdade até vamos ficar por aqui mais tempo do que em qualquer um outro.

Vai ser muito difícil ficar com dúvidas sobre se estamos ou não no sítio certo. Para além das letras garrafais com o nome do nosso país e do ecrã gigante com caras de portugueses, a entrada tem a presença de uma obra do artista português Bordalo II. Estamos a falar de três esculturas feitas com materiais reciclados que são ambientadas pelo cheiro dos pasteis de nata vendidos à entrada.

Já junto à porta somos recebidos com um “Bem-vindos a Portugal”, dito em bom português por um dos funcionários do pavilhão, vestido com com padrões inspirados nos nossos azulejos. No chão está a tradicional calçada portuguesa. Lá dentro estão todos os tesouros: a cortiça, a filigrana e o azulejo pintado.

A tecnologia é também muito usada no Pavilhão de Portugal, sendo o recurso principal numa das salas onde um vídeo é projetado em quatro paredes, com o propósito de nos transportar para mais de sete mil quilómetros. Há ainda vários computadores que desafiam o conhecimento dos visitantes sobre Portugal com várias perguntas de escolha múltipla.

Almoço no Al-Lusitano
13:00 – 15:00

Jubilee
a partir de €15
todos os dias: 10h às 0h

Para almoçarmos não precisamos de caminhar muito, basta subir as escadas do Pavilhão de Portugal em direção ao Al-Lusitano, do chef Chakal.

A cor azul predomina em todo o espaço. A Vista Alegre é responsável pelos os copos, a Costa Verde pelas Louças, a 3dcork pelas bases de cortiça e muita da decoração pela Bordalo Pinheiro. Os azulejos e as sardinhas também não ficaram de fora e estão em perfeita harmonia neste espaço cujo objetivo é proporcionar uma refeição como se estivesse em Portugal.

Para entrada são servidos Peixinhos da Horta e Pastéis de Bacalhau. O prato principal pode variar entre Bacalhau à Lagareiro, Robalo Grelhado com Migas e Espargos, Espetada Madeirense ou Posta Mirandesa. Na lista de sobremesas não faltam as iguarias portuguesas como o Pão de Ló, o Leite Creme, o Arroz Doce e os Pastéis de Nata.

O bom tempo que se faz sentir no país pede para ficarmos na esplanada, onde a anfitriã é uma grande Oliveira que preenche o espaço. Os nossos olhos alcançam uma vista panorâmica para o recinto com vista para os vários pavilhões e para o coração da Expo, a praça Al Wasl, que em árabe significa ‘conexão’.

Garden in the Sky
15:00 – 16:00

Jubilee
Asif Khan
€7

Quando caminhamos pelo recinto da Expo 2020 vamo-nos esquecendo do sítio onde estamos e ficamos com a ideia de que estamos a caminhar pelo mundo todo. Mas se a dimensão do evento não nos recorda a cada minuto que estamos no Dubai, terra de grandes colossos, talvez o Garden in the Sky seja capaz disso.

Este jardim em formato circular é, no fundo, uma plataforma que convida os visitantes a entrar e a subirem a 55 metros de altura. A partir do topo conseguem uma visão sobre todo o recinto da Expo. Tanto a subida como a descida são feitas com a plataforma a girar o que permite uma visão global de toda a área.

Este projeto do arquiteto e designer inglês Asif Khan também teve em conta as elevadas temperaturas que se fazem sentir neste país e para além do piso superior, desenhou ainda um piso inferior, fechado e com ar condicionado. Ambos sã acessíveis por escadas.

Pavilhão do Peru
16:00 – 17:00

Mobility District
Habitare

Já vamos voltar à Europa, mas agora é tempo de seguirmos em direção à América do Sul para visitarmos o Pavilhão do Peru.

Aqui o objetivo é olhar para os desafios do futuro e conseguir superá-los sem deixar para trás a riqueza cultural do país. A arquitetura, os têxteis e a gastronomia peruana dão cartas neste pavilhão.

A diversidade de alimentos dá variações à cozinha peruana que tornam divertida, colorida e acima de tudo muito saborosa. Aqui são nos mostrados vários alimentos peruanos e como são importantes para alimentação. São exemplo disso a quinoa, a amêndoa, a batata doce ou o peixe.

Pavilhão do Luxemburgo
17:00 – 18:00

Opportunity District
Metaform

O Luxemburgo trouxe para a Expo 2020 um pavilhão desenhado como se fosse uma fita de duas superfícies que se ligam e que querem simbolizar a economia circular e o dinamismo, dando lugar às formas redondas e irregulares.

Lá dentro, os visitantes são recebidos por um filme de sete minutos que mostra importantes marcos na história do Luxemburgo. Grande destaque para o facto de ter sido o primeiro país que lançou o maior satélite para o espaço, mas também grande foco para o Burj Khalifa. O maior edifício do mundo foi construído no Dubai com vidro e aço luxemburguês.

No final da visita é possível abandonar o edifício usando escadas, mas há uma forma bem mais divertida, um escorrega de sete metros que faz as alegrias dos mais novos, sendo poucos os adultos que resistem a experimentar.

Pavilhão do Reino Unido
18:00 – 19:00

Opportunity District
Es Devlin Studio

E acabamos a nossa visita à Expo 2020 no pavilhão do Reino Unido que foi pensado a partir de uma ideia simples, mas difícil de pôr em prática. Apesar disso resultou porque a inspiração não podia ser melhor: Stephen Hawking.

Na fachada uma série de palavras compõem um texto com sentido graças à inteligência artificial. Essas palavras, projetadas nos painéis led embutidos na estrutura de madeira, são escolhidas pelos visitantes. No interior há vários tablets onde cada pessoa deve escolher uma palavra que em poucos segundos aparece num dos painéis como parte do texto geral. Para que a ideia funcione, as pessoas são desincentivadas de escolherem palavras de ódio ou nomes de países e de pessoas.

O texto da fachada está em constante mudança o que permite que cada visitante possa ter acesso a um conteúdo diferente.

Como chegar à Expo 2020?

metro icon

Metro

A Expo 2020 é servida por uma estação de metro exclusiva. A paragem fica junto à entrada principal do recinto.

autocarro icon

Autocarro

Para além dos autocarros da rede de transportes públicos do Dubai (pagos), todos os visitantes podem recorrer ao ‘Expo Rider’ de forma gratuita. Trata-se de uma linha com paragens em vários pontos da cidade e até noutros emirados.

carro icon

Carro

A Expo 2020 tem quatro parques de estacionamento de dimensões colossais. O caminho para o recinto é facilitado pelas muitas placas de sinalização visíveis nas principais vias e auto-estradas do país.

Onde dormir na Expo 2020?

Piscina do hotel Rove na Expo 2020

Rove Expo 2020
 Al Wasl Plaza Expo 2020
a partir de €133 por pessoa (noite)
8,3 (muito bom no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Artigos Sugeridos