Roteiro Milão. Dois dias na casa de Da Vinci e Armani

De Da Vinci a Armani há cinco séculos de distância e a melhor forma de sabermos o que mudou é visitarmos Milão. Este roteiro é para dois dias

Galeria Vittorio Emanuele II 2 de Milão Itália
PUB

De todas as cidades italianas há quem tenha dificuldade em fazer um top das que valem mais a pena uma visita e isso percebe-se quando as vamos conhecendo, uma a uma. Milão é mais um desses destinos que nos mostra como Itália é um país de tesouros infinitos. A Catedral de Duomo é jóia da coroa com o seu nível de detalhe que mais parece saído das mãos de um ourives. Mas também o Teatro alla Scala e o seu museu são contadores de uma história de cultura imensa.

Ainda na arte, foi por estas bandas que Leonardo Da Vinci deixou um dos seus maiores legados, chama-se Última Ceia e são aos milhares as casas de católicos em que podemos encontrar uma réplica desta pintura que ficou eternizada na parede do refeitório de uma igreja. Pelo lugar onde foi pintada nunca pôde ser transferida para um lugar de maior proteção, como a Pinacoteca de Brera ou a Pinacoteca Ambrosiana que ainda hoje guardam os rascunhos de Da Vinci, bem como outras obras de grande valor.

Mas nem só de arte antiga se faz esta cidade. A moda, com as luxuosas lojas de famosos costureiros, deixam-nos a pensar na passadeira vermelha que está estendida em cada rua, particularmente nas que compõem o Quadrilatero della Moda. Mais longe do centro, o Pirelli Hangar é a casa dos novos artistas. Vamos conhecer Milão?

Milão
Itália
Italiano
1 352 milhões hab.
Euro (EUR)
GMT+2
Europeia, 2 pinos
+39
112
Os invernos em Milão são particularmente frios e os meses de verão mantêm quase sempre temperaturas amenas. É raro os termómetros descerem abaixo de zero no inverno e no verão não costumam ir além dos 30ºC.

Dia 1

Pinacoteca de Brera
9:00 – 10:00

Via Brera, 28
gratuito
segunda a sexta: 9h30 às 18h30

A porta de entrada da nossa visita a Milão é a Pinacoteca de Brera, situada no antigo Palácio de Brera e que não é apenas um museu. No seu seio estão instaladas a Academia de Belas Artes, a Biblioteca Braidense e o Jardim Botânico.

PUB

Para compreendermos a história da Pinacoteca mais prestigiada de Milão temos de recuar até ao século XVI, altura em que os jesuítas tinham aqui um centro de estudos. Em 1776, durante o domínio austríaco de Milão, a pedido de Maria Teresa da Áustria, foi criada a Academia de Belas Artes. O espaço tinha um objetivo didático com uma coleção de obras como moldes e pinturas que davam apoio aos estudantes da academia. 

É no século XIX, quando Napoleão dominava a cidade, que se manda construir um museu com o objetivo de mostrar as grandes obras dos territórios conquistados pelos franceses. As igrejas e conventos que tinham sido fechadas pelo novo governo foram as grandes fornecedoras de obras de arte numa primeira fase que foi sendo enriquecida, anos mais tarde, com várias doações e novas aquisições.

Hoje a Pinacoteca de Brera é a casa de obras tão importantes como a Ceia em Emaus de Caravaggio e o Casamento da Virgem de Raffaello. Hayez, Luini, Mantegna, Tintorretto e Bergognone são mais alguns dos artistas com obras neste espaço.

Quadrilatero della Moda
10:00 – 11:00

Quadrilatero della Moda

Depois da arte, avançamos para um dos atributos mais conhecidos de Milão, a moda. A partir daqui o melhor é agarrar-se à carteira com unhas e dentes porque vamos entrar numa zona de grande tentação.

O Quadrilatero della Moda é o epicentro da cultura chique da cidade. São quatro avenidas bem apessoadas que compõem um bairro integralmente dedicado à industria da moda de luxo. Para além dos carros de alta cilindrada de onde vai sair as mais exuberantes personalidades, vai encontrar as mais conhecidas marcas: Armani, Versace, Alberta Ferretti, Dolce & Gabbana, Prada, Fendi, Louis Vuitton, Chanel, Gucci, Bulgari, Cartier, ou Valentino são só algumas delas.

Teatro Alla Scalla
11:00 – 13:00

Via Filodrammatici, 2
adultos: €9 | estudantes: €6 | crianças: gratuito
todos os dias: 9h às 17h30

Como a frustração de gostar de tantas peças de roupa mas a impossibilidade de as comprar deixam qualquer um deprimido, o melhor mesmo é voltarmos às artes, desta vez a segunda arte.

Milão é a casa de uma das mais importantes óperas do mundo, o Teatro Alla Scalla. Dizer apenas isto pode deixar margem para dúvidas, mas se acrescentarmos que foi aqui que Verdi se estreou e foi aqui que se notabilizou como compositor, percebemos a dimensão histórica do espaço que estamos a visitar.

A melhor forma de conhecer um teatro é assistir a uma apresentação no seu palco, mas como isso nem sempre é possível porque os bilhetes esgotam rapidamente, há uma alternativa que para além de nos deixar conhecer a sala principal, ainda nos ajuda a perceber a história da vibrante cultura de Milão: o Museu do Teatro Alla Scala.

A visita começa com uma vista para a plateia a partir de um camarote. Os tons de vermelho e dourado bem como o grande lustre que se fixa no topo da sala são os destaques mais evidentes deste momento. A partir daqui começa a imersão numa história intrincada que só está disponível graças a um grupo de cidadãos e graças ao estado italiano que decidiram fundar este museu.

Almoço no Panifício Luini
13:00 – 14:00

Via Santa Radegonda, 16
a partir de €3
segunda a sábado: 10h30 às 19h30

O almoço deste primeiro dia em Milão vai ser simples, mas carregado de simbolismo. Vamos entrar na gastronomia italiana com os famosos panzerotti. Estamos a falar de calzones de tamanho mais pequeno do que os habituais que têm vários recheios para experimentar. Há os doces e os salgados, pelo que a melhor decisão passa por escolher um salgado para o almoço e pedir logo um doce para servir de sobremesa.

Os entendidos dizem que no Panifício Luini vamos encontrar os melhores de Itália. É bom que acreditemos porque a história deste sítio começou há mais de cem anos. Na altura era apenas uma padaria que produzia pão para os restaurantes e hotéis do centro da cidade, mas a fundadora, Giuseppina Luini, decidiu inovar. Foi uma espécie de primeiro estranha-se, depois entranha-se porque os panzerotti não foram logo bem recebidos, mas hoje são um verdadeiro sucesso.

Duomo de Mião
14:00 – 16:00

Piazza del Duomo 
adultos: €10 | idosos e jovens: €4
todos os dias: 9h às 19h

Com o estômago aconchegado está na hora de partirmos para o climax desta viagem a Milão, o Duomo. É provável que já tenha passado pela praça desta gigantesca catedral no caminho até ao sítio do almoço, mas se antes estava com fome e pressa, aproveite agora para parar e observar com detalhe a fachada desta catedral que demorou mais de 500 anos a ficar concluída. O nível de detalhe vão fazê-lo gastar muito tempo, mas vale mesmo a pena tentar identificar as mais de três mil estátuas e dezenas de pináculos apontados ao céu.

Apesar de este ter sido um trabalho demorado, a verdade é que foi acabado à pressa. Esta frase pode ser parecer contraditória, mas a explicação está em Napoleão que depois de conquistar Milão quis a todo o custo ser coroado rei aqui. As obras estavam muito atrasadas e deu um prazo de sete anos para que a fachada fosse terminada. E foi.

Hoje o Duomo de Milão é um dos melhores exemplares da arquitetura gótica que surghe misturada com as influências que são possíveis de imaginar quando pensamos numa construção que durou dezenas de gerações. Para a história ficam os 157 metros de comprimento, 11.700 metros quadrados e um espaço que alberga até 40 mil pessoas. No exterior está revestida com mármore branco-rosa tipicamente italiano.

Pinacoteca Ambrosiana
16:00 – 17:00

Piazza Pio XI, 2
adultos: €15 | idosos e jovens: €10
terça a domingo: 10h às 18h

Itália é um país de arte de grande qualidade e que influenciou artistas um pouco por todo o mundo, por isso é imperdoável que não visitemos as suas galerias. Seguimos agora em direção à Pinacoteca Ambrosiana fundada em 1618 pelo Cardeal Frederico Borromeio.

Foi precisamente com o objetivo de inspirar novos artistas que a Ambrosiana foi fundada. E mais do que inspirar, queria ensinar e educar por isso foi construída uma academia de desenho e uma biblioteca que ainda hoje é um dos pontos fortes da visita a este espaço.

É também aqui que estão alguns dos tesouros de um dos mais conhecidos artistas italianos. O Codex Atléntiucus de Leonardo da Vinci contém algum do pensamento mais aprofundado deste génio do século XV. Falamos de desenhos e anotações sobre as suas invenções, nas mais diversas áreas como anatomia, astronomia, botânica, química, geografia, matemática, projectos tecnológicos, estudos sobre o voo, entre tantos outros temas da fascinante vida de Leonardo da Vinci.

Piazza Mercanti
17:00 – 18:00

Piazza Mercanti

Está na hora de voltarmos a caminhar em direção ao Duomo de Milão porque é por lá que vamos terminar o nosso dia, mas antes de chegarmos ao nosso destino final, vamos passar por um lugar que vive de forma discreta numa das zonas mais movimentadas de Milão.

A Piazza Mercanti parece congelada no tempo. Apesar das centenas de anos que tem em cima, conseguiu preservar o seu aspeto medieval e ainda hoje é a morada de alguns dos edifícios mais antigos da cidade.

No seu auge era epicentro comercial de Milão e por isso mesmo funcionava ali o Palazzo dei Giureconsulti, sede da Câmara de Comércio. Este edifício ainda hoje tem um relógio que funcionava como o indicador do horário comercial da cidade.

Este também era um lugar das leis. No Palazzo della Ragione funcionavam os principais tribunais, na Loggia degli Osii estavam os escritórios dos advogados e notários, no Palazzo delle Scuole Palatine funcionou a mais prestigiada escola superior da cidade e há ainda espaço para Casa dei Panigarola que hoje funciona como restaurante, mas nasceu para ser o lugar onde se transcreviam os decretos ducais.

Galeria Vittorio Emanuele II
18:00 –
20:00

Piazza del Duomo

Talvez ainda não nos tenhamos esquecido da desilusão de não conseguirmos comprar a maioria das peças de roupa que vimos de manhã no Quadrilatero della Moda, mas agora vamos para junto de lojas de alta costura apenas para apreciar o espaço.

Construídas no século XIX, as Galerias Vittorio Emanuel II são das mais bonitas da Europa com uma estrutura em ferro e vidro, que cobre todos os tetos e se acrescentam dois arcos perpendiculares. É um espaço onde estão reunidas várias lojas de roupa, joalharias, restaurantes e cafés.

No octógono central, muito próximo no Café Biffi, encontra-se um mosaico que mostra o escudo familiar dos Savoia com a imagem de um touro. Segundo a tradição, aquele que dê uma volta completa por cima do touro, com o pé direito e com os olhos fechados, terá sorte.

Os mais supersticiosos podem escolher Milão para entrarem no ano novo e rodar o corpo neste local à meia noite. Se conseguirem, todo o ano será de sorte. A avaliar pela quantidade de pessoas que esperam para fazer o ritual e olhando para a marca que está no chão, há certamente muitos sortudos por esse mundo fora.

Jantar no Café Biffi
20:00

Galleria Vittorio Emanuele II
a partir de €15
todos os dias: 12h às 23h30

Nós bem dissemos que não queríamos vir aqui para gastar dinheiro ou ficar desiludidos com o preço proibitivo da alta costura. Viemos para conhecer o espaço e jantar num dos restaurantes mais carismáticos de Milão.

O Café Biffi foi fundado em 1867 e é o mais antigo ainda em funcionamento na cidade. É o lugar ideal para provar uma série de pratos típicos de Itália que são feitos de acordo com as receitas tradicionais. Para a mesa é imprescindível pedir o tipicamente milanês Risotto a la Milanesa, um arroz de queijo cremoso amarelado pelo açafrão.

Dia 2

Última Ceia
10:00 – 11:00

Piazza di Santa Maria delle Grazie, 2
€15
segunda a sábado: 7h às 19h30 | domingo: 7h às 21h

A história está cheia de milagres e o segundo dia em Milão vai começar com a contemplação de um desses milagres. A temática é religiosa, mas os milagres são muito concretos. A Última Ceia de Leonardo da Vinci conseguiu chegar até nós depois de ter passado por tantas vicissitudes que qualquer um apostaria que seria impossível vê-a em pleno século XXI.

Talvez porque já sofreu demais ao longo da vida, a pintura está debaixo de fortes medidas de segurança. É preciso garantir a reserva com pelo menos dois meses de antecedência e a contemplação não pode durar mais do que 15 minutos.

Da Vinci pintou esta obra numa das paredes do refeitório do Convento Dominicano da Igreja de Santa Maria delle Grazie. Fê-lo com recurso a uma técnica nova, pouco usada na época mas que serviu para conseguir levar o desenho ao detalhe máximo.

A inovação também chega à forma de representar Judas, o apóstolo traidor que foi desmascarado nesta ceia. O momento bíblico não é novo no pincel dos artistas da época, mas ao contrário dos que representavam Judas com roupas escuras, um ar carregado e separado dos restantes apóstolos, Da Vinci incluiu-o próximo dos outros

A obra demorou mais de três anos a estar concluída, mas o resultado é uma pintura com 4,60 metros de altura e 8,80 metros de largura que tem sido reproduzida ao longo dos séculos e marca presença na casa de muitos apóstolos.

Casa degli Atellani
11:00 – 12:00

 Corso Magenta, 65
€12
todos os dias: 9h às 18h

Terminada a visita a um dos maiores tesouros de Milão, o roteiro segue para o local onde o artista terá passado uma bora parte do tempo em que desenvolveu aquela que pode ser considerada uma das suas obras primas. Só precisamos de atravessar a estrada para chegarmos à casa onde Leonardo Da Vinci viveu durante os anos de demorou a pintar A Última Ceia.

A Casa degli Atellani mantém a traça original e ainda é possível ver a vinha construída pelo artista e que foi replantada em 2015, depois de ter sofrido um incêndio que a destrui por completo. O imóvel nunca saiu das mãos de privados, mas é possível fazer uma visita guiada mediante marcação.

Castelo Sforzesco
12:00
14:00

Piazza Castello
adultos: €5 | jovens: €3
todos os dias: 7h às 19h30

O caminho faz-se agora em direção a uma casa das mil utilidades, o Castelo Sforzesco nasceu para ser uma fortaleza da cidade, mas hoje é um espaço aberto com muitas valências e onde é possível adquirir muitos conhecimentos.

Quem visita hoje este espaço dificilmente consegue visualizar todas as transformações que teve ao longo dos séculos. Quando foi construído no séc. XV tinha como principal objetivo exercer funções militares de proteção da cidade. Mais tarde converteu-se no Palácio Ducal que acabou por ser destruído no período da República Ambrosiana.

No meio de toda a sua história, foi provavelmente no século XIX que enfrentou a sua maior provação quando o quiseram mandar abaixo para que naquele lugar privilegiado da cidade fosse construído um condomínio de luxo. A ideia foi travada a tempo de Milão conseguir manter aquele que ainda hoje se mantém como um dos espaços mais impressionantes de se visitar.

Facilmente consegue ocupar toda a sua tarde a visitar todos os museus que ocupam as salas do castelo e sem se cansar porque os temas são variados. Aqui está o Museu de Arte Antiga, uma Pinacoteca, o Museu Egípcio, o Museu de Instrumentos Musicais, o Museu da Pré-História e até o Museu do móvel.

Parque Sempione
14:00 – 17:00

Piazza Sempione

A hora de almoço deste último dia em Milão pode ser passada no Parque Sempione, um mando verde que estende mesmo ao lado do Castelo Sforzesco.

Não vai ser difícil encontrar um sítio para estender a toalha ao xadrez porque este é o maior parque da cidade com mais de 47 hectares. Construído entre 1890 e 1893 ao estilo dos jardins ingleses, tem como principal atrativo um grande lago artificial.

É nesta área que também se encontram alguns outros atrativos de Milão como é exemplo a sede da Fundação que promove a Trienal de Arquitetura de Milão, um grande aquário com 36 tanques que são a casa de mais de 100 espécies marinhas, a Arena Cívica inaugurada por Napoleão e que hoje é usada para provas de atletismo e concertos e ainda o Arco da Paz.

Pirelli Hangar
17:00 – 19:00

Via Chiese, 2
gratuito
todos os dias: 10h30 às 20h30

Depois de várias horas numa imersão pela arte antiga tão característica da cidade de Milão está na hora de provarmos que a arte contemporânea também tem o seu espaço. Vamos ter de apanhar um elétrico e talvez até um autocarro para chegarmos ao mundo suburbano onde está o Pirelli Hangar.

Antes de aqui nascer esta galeria futurista, este espaço era uma fábrica na cintura industrial de Milão. À medida que as fábricas foram fechando, os espaços foram sendo adaptados para uma nova realidade, com mais casas e mais espaços culturais. Este foi um espaço que se abriu à cidade, de forma gratuita para mostrar os novos artistas.

À medida que vamos caminhando por este espaço imenso vamos descobrindo as obras de vários artistas contemporâneos. Uns mais conhecidos que outros, mas todos com obras exclusivamente pensadas para este espaço. Esse é quase sempre o ponto de partida das várias exposições temporárias: desafiar o artista ou os artistas a interagirem com o espaço e isso tem resultados que muitas vezes são imprevisíveis.

Jantar no Maya Milano
19:00

Via Ascanio Sforza, 41
a partir de €6
todos os dias: 12h às 23h30

Antes de nos despedirmos de Milão, vamos caminhar em direção a uma das zonas mais características da cidade ainda pouco explorada por turistas, mas um dos lugares favoritos de quem cá mora, o Bairro Navigli.

O conceito aqui é de Happy Hour, um período em que escolhe um cocktail e a comida é por conta da casa. Mas desengane-se se pensa que a comida é pouca, a variedade é muita e é muito frequente fer os funcionários do espaço a reforçarem o stock.

Como viajar até Milão?

TAP Air Portugal
a partir de €96 (ida e volta)
Reservar

A TAP tem pelo menos dois voos diários para o principal aeroporto de Milão, Malpensa. A tarifa base da TAP não inclui bagagem de porão.

Ryanair
a partir de €30 (ida e volta)
Reservar

A Ryanair liga Lisboa ao aeroporto secundário de Milão (Bérgamo) pelo menos uma vez por dia. A tarifa não inclui bagagem.

Easyjet
a partir de €80 (ida e volta)
Reservar

A Easyjet tem vários voos por semana a ligar a capital portuguesa ao aeroporto de Malpensa. A tarifa não inclui bagagem.

Onde dormir em Milão?

 Portaclè Suites
 Via Senato, 2
a partir de €38/pessoa (noite)
9,3 (Soberbo no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Lancaster Hotel
 Via Abbondio Sangiorgio, 16 
a partir de €40/pessoa (noite)
9,1 (Soberbo no Booking.com)
Reservar no Booking.com

 Galleria Vik Milano
 Via Silvio Pellico, 8
a partir de €100/pessoa (noite)
8,5 (ótimo no Booking.com)
Reservar no Booking.com

Artigos Sugeridos